Opep anuncia aumento da produção de petróleo em 50%, mas preço não cede

A Opep +, organização que reúne os principais exportadores de petróleo do mundo mais a Rússia, concordou nesta em elevar a produção de petróleo em 50%. Apesar do anúncio o preço da commodity não cedeu de imediato e chegou a US$ 117 o barril. No mesmo dia, a União Europeia (UE) aprovou sanção parcial à importação de petróleo russo.

Negócios: China negocia compra de petróleo russo

Embargos: Países do G7 se comprometem a deixar de comprar petróleo da Rússia, e EUA anunciam novas sanções

No auge da soja: Interferência na Petrobras eleva risco de falta de diesel, e setor agrícola e varejo devem ser afetados

Os ministros da Opep + aprovaram o aumento da produção para 648 mil barris de petróleo diários nos meses de julho e agosto, 50% a mais que os 432 mil barris que são produzidos diariamente.

A Rússia deu respaldo ao plano, apesar do embargo da UE ao seu óleo. A reunião entre os membros do grupo foi finalizada em tempo recorde de 11 minutos, segundo fontes da Bloomberg.

O preço do petróleo chegou a cair antes da reunião, devido à expectativa de alta de produção. Mas, por volta de 12h15 (horário de Brasília), o preço do petróleo do tipo Brent para entrega em agosto subia 0,76%, cotado a US$ 117,17 o barril. O Brent é referência no mercado internacional.

Já o WTI, referência no mercado americano, para entrega em julho subia 0,85%, para US$ 116,24 o barril na mesma hora

— Este é um ajuste pequeno, mas é uma mensagem implícita para o equilíbrio apertado (do mercado) tendo em vista as sanções da UE à Rússia, que começarão a ter impacto — disse Bill Farren-Price, diretor da Enverus Intelligence Research.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos