Opep+ dá poder a saudita para intervir no desenvolvimento do mercado de petróleo

Bomba de óleo impressa em 3D na frente do logotipo da Opep

Por Alex Lawler e Ahmad Ghaddar e Maha El Dahan

LONDRES (Reuters) - Os membros da Opep+ confiaram ao seu presidente, ministro da Energia saudita, príncipe Abdulaziz bin Salman al-Saud, o poder de intervir para estabilizar o mercado de petróleo por meio da convocação de uma reunião a qualquer momento, se necessário, disse à Reuters uma fonte do Golfo com conhecimento no assunto.

A Opep e seus aliados liderados pela Rússia concordaram nesta segunda-feira com um pequeno corte na produção de petróleo visando elevar os preços que caíram devido aos temores de uma desaceleração econômica.

Em outubro, os produtores de petróleo reduzirão a produção em 100.000 barris por dia (bpd), equivalente a apenas 0,1% da demanda global.

O grupo também concordou em se reunir a qualquer momento para ajustar a produção antes da próxima reunião agendada para 5 de outubro.

A fonte disse à Reuters, porém, que essa flexibilidade vai além de outubro.

"Os membros confiaram que o presidente pode intervir sempre que necessário para trazer mais estabilidade e isso pode ser além de outubro até o final do acordo (Opep+)", disse a fonte.

Outra fonte da Opep disse que a decisão foi tomada para conter a volatilidade do mercado.

"Os movimentos de preços para cima e para baixo estão aumentando a preocupação", disse a fonte, acrescentando que o grupo não estava olhando para um determinado nível de preço em que se encontraria.

Os preços do petróleo subiam mais de 2 dólares o barril nesta segunda-feira.

Os futuros do Brent para entrega em novembro subiram para 95,65 dólares por barril, um ganho de 2,75%, às 13h46 (horário de Brasília). O petróleo WTI avançava 2,66%, para 89,21 dólares.

A decisão de segunda-feira representa apenas 0,1% da demanda global e essencialmente mantém o status quo, mas foi um importante declaração ao mercado, disse a fonte do Golfo.

"O corte de hoje é simbólico e é para enviar uma mensagem ao mercado que o grupo utilizará todas as ferramentas do seu kit para trazer estabilidade", disse a fonte do Golfo com conhecimento do assunto.

"A Opep+ está cautelosa com a volatilidade prolongada dos preços gerada pelo fraco sentimento macro, pouca liquidez e novos lockdowns na China, bem como a incerteza sobre um possível acordo EUA-Irã e esforços para criar um teto de preço ao petróleo russo", disse Matthew Holland, da Energy Aspects.

A Arábia Saudita, principal produtor da Opep, sinalizou no mês passado a possibilidade de cortes na produção para lidar com o que enxerga como quedas exageradas dos preços do petróleo.

Sinais do mercado físico, no entanto, sugerem que a oferta continua apertada e muitos Estados da Opep estão produzindo abaixo das metas, enquanto novas sanções ocidentais estão ameaçando as exportações russas.

(Reportagem adicional de Rowena Edwards e Olesya Astakhova)

((Tradução Redação São Paulo))

REUTERS LF RS RB