Operação Calígula: veja quem mais é alvo de mandados de prisão do MPRJ

Doze das 27 pessoas denunciadas pelos crimes de organização criminosa, corrupção ativa, corrupção passiva e lavagem de dinheiro foram presas em decorrência da operação Calígula, do Ministério Público do Rio (MPRJ), até a noite desta quarta-feira. Entre elas, o delegado Marcos Cipriano de Oliveira Mello, levado para a Corregedoria da Polícia Civil, e a delegada Adriana Cardoso Belém, que por anos foi titular da 16ª DP (Barra da Tijuca). Nesta quarta, o Diário Oficial da União publicou a exoneração da delegada, que também ocupava cargo na Secretaria Municipal de Esportes e Lazer do Rio de Janeiro. Outras 15 pessoas seguem na mira do MPRJ.

A operação atua contra uma rede de jogos de azar explorada pelo contraventor Rogério de Andrade, seu filho Gustavo, e pelo PM reformado Ronnie Lessa — réu pela morte de da vereadora Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes. O MPRJ também ofereceu denúncia contra o policial militar Márcio Araújo de Souza, apontado como chefe da segurança do grupo criminoso, e contra o também PM Daniel Rodrigues Pinheiro, chefe direto da segurança de Andrade.

Os agentes do MPRJ encontraram até o momento, R$ 48.251,20, 2.200 dólares, 4.420 pesos argentinos, 70 pesos uruguaios, todos em espécie, além de R$ 3.800 em cheque, diversos documentos, pendrive, chips, notebooks, máquinas de cartão, 107 máquinas de caça-níquel, cópias de processos e componentes eletrônicos. Há ainda 119 mandados de busca e apreensão.

Veja os nomes dos integrantes da organização criminosa com mandados de prisão expedidos pelo MPRJ.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos