Operação da polícia apreende armas adquiridas para colecionadores em casa de integrante de facção criminosa

A Polícia Civil de São Paulo apreendeu, na manhã da última quinta-feira, armas adquiridas por licença para colecionadores na casa onde mora um integrante da principal facção criminosa de São Paulo. Segundo investigações do Departamento Estadual de Prevenção e Repressão ao Narcotráfico (Denarc), o arsenal avaliado em R$ 50 mil era composto por um fuzil, uma submetralhadora, seis pistolas e um revólver, e foi adquirido pelo genro do criminoso.

Justiça: Mãe de Miguel vai recorrer de sentença contra ex-patroa: 'assassina racista'

O delegado Fernando Santiago contou que as armas foram encontradas na casa onde mora Anísio Amaral Da Silva, conhecido como Biu e investigado como integrante da facção. O genro, dono da residência e do arsenal, mantinha uma empresa de acessórios de armas e airsoft. Segundo o Denarc, o rendimento de apenas R$ 2 mil com o empreendimento gerou desconfiança.

- O rapaz não possui lastro econômico para a aquisição das armas. O que pode revelar um indício de que o armamento não seja propriamente dele. Além disso, soma-se o fato do indivíduo morar com um integrante de uma facção criminosa - lembrou o delegado.

Leia mais: PRF vem aumentando incursões desde o início do governo Bolsonaro

Em 2006, Biu foi preso em flagrante por associação criminosa e, em 2021, detido com mais de 10 quilos de maconha e um fuzil com outros investigados pela Polícia Civil. Segundo a corporação, ele é alvo de pelo menos sete inquéritos policiais, três deles no Denarc.

Repercussão: ONU cobra investigação sobre a morte de Genivaldo Santos durante ação da PRF em Sergipe

As suspeitas são de que criminosos estejam usando "laranjas" para conseguir a compra de armas de forma legal, por licença de colecionadores, atiradores desportivos e caçadores (CACs). Os investigadores dizem que este é um novo meio de obtenção e que a Polícia Civil está estudando os casos.

Caso Miguel: Ex-patroa condenada por morte de criança de 5 anos poderá recorrer em liberdade

As armas foram apreendidas na ação chamada de Ataxaria, quando policiais do Denarc cumpriam mandados de busca e apreensão de uma outra operação, batizada de Sufoco, contra uma organização criminosa voltada à lavagem de dinheiro, com a participação de empresários, instituições de contabilidade e transporte coletivo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos