Operação da Polícia Civil mira 'caixinha' da maior facção do Rio; esquema movimentou R$ 7 milhões em dois anos

Extra
·2 minuto de leitura

A Polícia Civil do Rio desencadeou, na manhã desta terça-feira, uma mega operação contra a maior facção criminosa do estado do Rio. A ação, comandada pela Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (Desarme), tem como objetivo asfixiar a chamada "caixinha" da quadrilha - valor em dinheiro que é utilizado, entre outras funções, para financiar, dentro das cadeias, integrantes do grupo que se encontram presos.

As investigações tiveram início em maio 2019, quando Elton da Conceição, conhecido como "PQD da CDD" e apontado como armeiro do tráfico, foi preso em flagrante pela PM. Na ocasião, ele portava diversas armas de fogo, munição, kits de limpeza de armamentos, equipamentos militares e diversas anotações de contabilidade da quadrilha.

A partir de dezenas de comprovantes de depósitos nominais em espécie que estavam em posse do criminoso, a polícia identificou uma rede de pessoas, a maioria parentes de bandidos, que era utilizada para repassar valores oriundos do tráfico aos presos da facção. Segundo a Polícia Civil, o esquema movimentou quase R$ 7 milhões ao longo dos últimos dois anos.

Foram identificados pelo menos 84 envolvidos nas movimentações suspeitas, metade deles criminosos que se encontram dentro do sistema penitenciário. Entre os restantes, há tanto familiares dos traficantes quanto pessoas de convívio íntimo com as lideranças da facção.

A operação, batizada como "Caixinha S/A", terá o apoio de agentes de outras unidades do Departamento Geral de Polícia Especializada (DPGE), como a Delegacia de Combate às Drogas (DCOD), a Delegacia de Roubos e Furtos (DRF), a Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC) e a Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA). Além disso, como parte dos alvos encontra-se na prisão, também participarão da ação homens da Secretaria estadual de Administração Penitenciária (Seap).

Estão sendo realizadas diligências em sete unidades do Complexo de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste do Rio. Os agentes também irão ao Presídio Tiago Teles, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do estado.