Operação em MT mira suspeitos de matarem quatro pessoas após 'tribunal do tráfico'

A Polícia Civil de Mato Grosso cumpre, nesta terça-feira, nove mandados de prisão e nove de busca e apreensão contra integrantes de uma facção suspeitos de sequestrar quatro pessoas, submetê-las a um "tribunal do tráfico", matá-las e depois sumir com os corpos. Segundo as investigações, os criminosos "julgaram" que as vítimas pertenciam a um grupo rival.

Atingido por uma van: Skatista de Santa Catarina morre atropelado no Posto 8, em Ipanema

Caso Daniel Alves: Testemunha diz que também foi apalpada pelo jogador em boate

A ação desta terça, chamada de Kalýpto — termo que vem do grego e significa cobrir, esconder ou velar —, é coordenada pela Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Cuiabá. As equipes fazem buscas por indícios que possam levar à localização dos corpos.

— Em se tratando de crimes praticados por integrantes de organização criminosa, a busca do maior e melhor suporte informativo possível é necessária para esclarecer o completo rol de autores e respectivas condutas — disse o delegado Caio Fernando Albuquerque.

Durante as investigações, os agentes realizaram diligências em Cuiabá e também no Maranhão. As pistas obtidas levaram à identificação dos envolvidos no crime. As ordens judiciais da operação Kalýpto são cumpridas em endereços em Cuiabá. A ação conta com o apoio da Gerência de Operações Especiais (GOE), da Diretoria de Atividades Especiais da Polícia Civil.

Vítimas saíram do Maranhão em busca de trabalho

Tiago Araújo, de 32 anos, o irmão dele, Geraldo Rodrigues da Silva, de 20, o cunhado deles, Clemilton Barros Paixão, também de 20, e o amigo dos três Paulo Weverton Abreu da Costa, de 23, sumiram no dia 2 de maio de 2021. Eles eram do Maranhão e foram para MT em busca de oportunidade de trabalho e conseguiram empregos em Cuiabá, segundo os investigadores. As vítimas moravam num conjunto de quitinetes, no bairro Jardim Renascer, na capital, e foram retiradas do local por um grupo armado.

No dia seguinte ao desaparecimento, parentes fizeram um boletim de ocorrência do desaparecimento. Quatro dias depois, a polícia recebeu informações de que um morador de Jardim Renascer estaria envolvido no crime. Após o início das investigações, as famílias de Tiago, Geraldo, Clemilton e Paulo passaram a ser coagidas e foram obrigadas a deixar Cuiabá.

Quem tiver informações sobre os quatro desaparecidos pode fazer contato pelos telefones (65) 3901-4823 e (65) 99982-7766.

Crueldade

De acordo com as investigações da DHPP, as vítimas foram mortas com requintes de crueldade. Elas foram decapitadas e tiveram os dedos arrancados. Uma delas foi baleada no peito e outras duas foram atingidas por disparos na nuca.

Os investigados pelo crime responderão por homicídio triplamente qualificado (impossibilidade de defesa, motivo torpe e meio cruel), ocultação de cadáver, sequestro e integração de organização criminosa.