Operação Favorito: integrante de esquema faz supostas citações a Witzel sobre contrato com OS da Saúde

Luiz Ernesto Magalhães
Mário Peixoto, preso nesta quinta-feira, na operação da PF e do MPF

RIO — No contexto de pagamentos indevidos a empresas ligadas ao empresário Mário Peixoto, preso nesta quinta-feira na Operação Favorito, da Polícia Federal e do Ministério Público Federal, está também a suspeita da reabilitação da Organização Social (OS) Unir Saúde, que, entre 2018 e 2019, recebeu mais de R$ 180 milhões para administrar dez UPAs da capital e da Baixada Fluminense. No ano passado, a OS foi desqualificada por irregularidades em contratos, mas a decisão foi revista por ato do governador Wilson Witzel em 23 de março deste ano.

Segundo a investigação, um integrante do grupo ligado ao suposto esquema afirmou que o próprio Peixoto teria tratado com o chefe do executivo estadual para rever a decisão. Em ligações interceptadas pela Polícia Federal com autorização da Justiça, Luiz Roberto Martins Soares — também preso nesta quinta, considerado responsável por superfaturar a compra de refeições para UPAs da capital e da Baixada Fluminense —  aparece numa conversa com um homem identificado apenas como Elcy, que seria funcionário de uma outra OS e também empregado na Câmara de Vereadores da cidade de Valença. No diálogo, ele comenta que a OS requalificada assumiria contratos no valor de R$ 10 milhões. A ligação aconteceu três dias antes de o ato ser oficializado por Witzel. Luiz Roberto também disse ao interlocutor que tratava da reabilitação.

Procurado pela reportagem, o governo do estado afirmou que, diante dos fatos narrados na decisão da 7ª Vara da Justiça Federal, o governador Wilson Witzel desqualificou o Instituto Unir Saúde, e o despacho será publicado em edição extra do Diário Oficial. A nota não comenta os diálogos interceptados pela Polícia Federal.

Martins foi detido em casa, em Valença. Com ele, foram encontrados quase R$ 1,6 milhão em dinheiro.

"O pessoal está todo doido atrás de mim para me dar contrato. Vai revogar aquela desclassificação da Unir. Recebi até ligação dele. Voltar com aqueles quatro (contratos) da Baixada. Estão querendo me dar o Hospital Adão Pereira Nunes. Saracuruna. Quinze milhões o contrato", disse Luiz Roberto, em diálogo interceptado.

O assessor ainda afirma para Elcy que o próprio Mário Peixoto teria tratado com Witzel sobre a reabilitação da OS Unir. Veja o diálogo:

Luiz Roberto: O Mario, foi ele que acertou junto com o Governador. Mas não publicou ainda. Eu estava comprando isso de um outro cara.

Elcy: Aí volta?

Luiz Roberto: As quatro de Nova Iguaçu não tem segundo colocado. Então está com contrato emergencial. uatro (quatro) de Nova Iguaçu não tem segundo colocado. Então está com contrato emergencial ainda. Se revogar e publicar a revogação tem que republicar o resultado do edital.

Elcy: Isso

Luiz Roberto: Ai é nossa p... Mesquita, Queimados, Botafogo e Campos.

Elcy: Ótimo

Luiz Roberto: vai ter outras coisas também