Operação resgata 140 pessoas em situação de 'trabalho escravo' no Brasil

·1 minuto de leitura
Homem segura sua carteira de trabalho em uma feira de emprego em 2019, no Rio de Janeiro

A polícia resgatou pelo menos 140 pessoas em situação semelhante à de escravidão nos últimos dias, incluindo uma empregada doméstica submetida a trabalhos forçados pela mesma família há 41 anos no Rio de Janeiro.

Os resgates ocorreram após diversas operações realizadas pela Polícia Federal (PF) entre os dias 13 e 25 de janeiro em estabelecimentos urbanos e rurais de onze estados brasileiros.

Uma das duas empregadas domésticas encontradas no Rio "era submetida a trabalhos forçados há 41 anos", disse Rômulo Machado e Silva, vice-secretário da Unidade de Inspeção do Trabalho do Ministério da Economia.

"O que a gente observa nesses casos, especialmente de trabalho doméstico, é que não tem nenhum tipo de formalização do vínculo, não tem pagamento de salário, tem retenção dos valores, jornadas exaustivas. Essas trabalhadoras não tinham direito a nenhum descanso", acrescentou Machado.

Entre as dezenas de pessoas resgatadas estão trabalhadores rurais, mineiros, mulheres, indígenas, pessoas com deficiência, dois menores e 13 cidadãos bolivianos empregados em uma oficina de costura em São Paulo, segundo o relatório policial.

Todos eles terão direito a três parcelas de seguro-desemprego e apoio psicossocial nos casos necessários, afirmaram as autoridades, que continuam a operação em diversos estados.

O trabalho "análogo à escravidão", punível pela legislação brasileira, pode ser configurado quando ocorre trabalho forçado, em condições degradantes, servidão por dívida ou restrições à locomoção e convivência social, entre outras situações.

De acordo com inspetores do governo, 942 pessoas foram resgatadas dessas condições em 2020.

mel/js/dg/jc/mvv