Operação violenta contra manifestantes no Sri Lanka gera preocupação internacional

As forças policiais do Sri Lanka recuperaram o último prédio público ocupado por manifestantes antigoverno em Colombo nesta sexta-feira (22), em uma operação violenta que despertou preocupação na comunidade internacional.

Centenas de policiais e soldados do Sri Lanka destruíram o principal acampamento de protesto na capital, expulsando ativistas várias horas depois que o novo presidente, Ranil Wickremesinghe, 73, foi empossado.

Equipados com material antidistúrbios, a polícia e os militares removeram as barricadas que bloqueavam a entrada principal do palácio presidencial, parcialmente invadido por manifestantes no início de julho.

Ativistas da campanha contra o ex-presidente Gotabaya Rajapaksa ocupam esta área desde 9 de julho, quando invadiram o palácio presidencial e o forçaram a fugir do país e renunciar.

"Nove pessoas foram presas", das quais "duas ficaram feridas" durante a operação de despejo, informou a polícia em comunicado.

Segundo testemunhas, os militares detiveram várias pessoas e destruíram as barracas montadas ao longo da avenida que conduz ao palácio, enquanto a polícia bloqueava as ruas adjacentes para impedir a chegada de novos manifestantes.

Soldados também foram vistos atacando civis, incluindo jornalistas, com cassetetes enquanto avançavam em direção a grupos de manifestantes reunidos no local.

A embaixadora dos EUA em Colombo, Julie Chung, expressou sua "profunda preocupação" com esta operação militar. "Pedimos às autoridades que tenham moderação e forneçam atendimento médico imediato aos feridos", tuitou.

O alto comissário canadense (embaixador) David McKinnon disse que "é crucial que as autoridades exerçam moderação e evitem a violência".

A Anistia Internacional exortou as autoridades do Sri Lanka a respeitar a dissidência e condenou o uso da força contra jornalistas, incluindo um fotógrafo da BBC, que cobriam a operação militar.

O novo presidente havia alertado os manifestantes que a ocupação de prédios estatais era ilegal e que eles seriam despejados. Wickremesinghe declarou estado de emergência, dando às forças armadas e à polícia amplos poderes para deter suspeitos por longos períodos sem a necessidade de acusá-los.

O líder da influente Ordem dos Advogados do Sri Lanka, Saliya Peiris, condenou a ação militar e alertou que prejudicaria a imagem internacional do novo governo.

"O uso desnecessário de força bruta não ajudará este país e sua imagem internacional", alertou Peiris em comunicado. Ele indicou que várias pessoas, incluindo um advogado, foram detidas pela polícia.

Na manhã de sexta-feira, centenas de manifestantes em um local perto do complexo presidencial exigiam a renúncia de Wickremesinghe, a dissolução do parlamento e a convocação de eleições.

gle/aj/wd/grp-mas/mis/meb/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos