Combates deixam 60 rebeldes mortos no sul do Sudão, informa exército

Cartum, 17 mar (EFE).- Pelo menos 60 rebeldes do Movimento Popular para a Libertação do Sudão/Setor Norte (MPLS-N) morreram em combates contra as tropas sudanesas na região do Cordofão, no sul do Sudão.

O comandante das Forças Armadas na província de Cordofão do Sul, general Khaled Abdin, explicou que as vítimas morreram durante uma tentativa dos rebeldes de tomar o controle dos distritos de Kalugli e Al Rahmaniya, no sul da região.

Abdin acrescentou em um comício em Kadugli, capital da província de Cordofão do Sul, que as forças governamentais da zona repeliram a ofensiva dos rebeldes e consolidaram seu controle sobre as áreas atacadas.

O comandante militar reconheceu que dois de seus soldados morreram durante os combates e acusou os rebeldes de assassinarem civis e de saquearem e queimarem suas casas.

O porta-voz do exército sudanês, Al Sauarmi Khaled Saad, anunciou que as forças armadas repeliram um ataque dos rebeldes em Kalugui na quinta-feira e mataram "um grande número" deles, mas sem divulgar números.

Segundo o MPLS-N, a ofensiva foi uma medida para apoiar os grupos políticos opositores que exigem a renúncia do presidente sudanês, Omar Hassan al Bashir.

O porta-voz dos rebeldes, Arnu Niqotlu Ludi, explicou que suas forças mataram mais de 50 soldados sudaneses no ataque e se apropriaram de um arsenal de armas e munição.

As autoridades e os rebeldes que querem derrubar o regime de Al Bashir, incluindo o MPLS-N, se enfrentam há três anos nos estados de Darfur, Cordofão do Sul e Nilo Azul, e já fizeram várias rodadas de negociações sem sucesso para tentar chegar a uma solução. EFE