Operação flagra homem morando em 'casa na árvore' no Rio de Janeiro

Morador de rua que se abrigou em árvore disse ser marceneiro e escolheu morar ali por ser mais próximo de um possível trabalho. (Foto: Reprodução/TV Globo)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Marceneiro diz ter residência, mas escolheu morar em árvore por ser mais perto de um possível trabalho

  • Operação do governo visa retirar moradores de rua e comércio irregular no Rio

Durante as operações da Marcha da Cidadania e Ordem, que teve início nesta segunda-feira (19), agentes do governo do Rio de Janeiro se depararam com um homem dormindo em um barraco no topo de uma árvore.

SIGA O YAHOO NOTÍCIAS NO INSTAGRAM

Ele foi encontrado na avenida conhecida como Corte de Cantagalo, que liga Copacabana à Lagoa. À polícia, afirmou que é marceneiro e que mora na Baixada Fluminense, mas escolheu construir o barraco para ficar mais perto de um possível trabalho. Junto a ele, foram encontrados um colchão, madeiras, solvente e uma tesoura.

Leia também

A Marcha é uma ação conjunta de diversos órgãos e secretarias do governo do estado para combater a “desordem urbana”. O foco principal é abordar usuários de drogas em situação de rua e impedir o comércio ilegal.

Teve início no Jardim de Alah, na zona sul da capital fluminense, e ainda hoje deve se estender até o Parque Garota de Ipanema, em frente à Praia do Arpoador. As pessoas em situação de rua encontradas no jardim serão levadas ao Centro de Triagem da Prefeitura do Rio, na Ilha do Governador, e abrigados em um hotel parceiro do governo estadual no Centro.

O secretário de Governo e Relações Institucionais de Wilson Witzel, Cleiton de Souza Rodrigues, afirma que o governador elaborou a ação “entendendo que o novo petróleo é o turismo”.

"É uma demanda da sociedade pelo seu direito de ir e vir", disse ao programa Bom Dia Rio, da Globo. Ele afirma, ainda, que o plano é que a ação aconteça todos os dias.

Participam da Marcha da Cidadania e Ordem órgãos como a Secretaria Estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, a Fundação para a Infância e Adolescência (FIA) e a Secretaria Estadual de Governo e Relações Institucionais (Operações Segurança Presente).