Opinião de Dilma contra MDB na chapa foi justa, diz Pimentel

CAROLINA LINHARES
AP Photo/Eraldo Peres

BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), que concorre à reeleição, disse ter achado justo que a ex-presidente Dilma Rousseff (PT), candidata ao Senado em sua chapa, não quisesse uma aliança com o MDB.

Nos bastidores, houve um desentendimento entre os petistas, já que o governador trabalhava para atrair o MDB para a sua coligação, mas foi impedido por Dilma. Pimentel minimizou o episódio em entrevista à TV Record e, depois, a outros jornalistas.

"Não houve uma exigência. O que houve foi uma observação da presidenta Dilma de que não seria confortável para ela, na chapa majoritária, ter deputados federais que votaram no impeachment dela. É legítimo que ela pense assim e hoje essa questão está superada, porque o MDB não está na nossa coligação", disse.

O governador não descartou, porém, apoio no segundo turno e a manutenção do MDB na sua base de governo, caso seja reeleito. "Vamos trabalhar juntos mais pra frente, mas agora nós somos adversários."

Pimentel afirmou que, de fato, buscou aliança com os emedebistas. "Eu queria o MDB estadual, que foi nossa base, continua conosco. Não tem nenhum constrangimento em relação a eles."

Porém, o principal ponto de apoio de Pimentel no MDB, o presidente da Assembleia, Adalclever Lopes (MDB), rompeu com o governador, deflagrou um pedido de impeachment contra o petista e hoje é candidato ao governo, substituindo Márcio Lacerda (PSB).