Opinião do GLOBO: Teia de mentiras

·1 minuto de leitura

Num momento teatral, o presidente da CPI da Covid, senador Omar Azis (PSD-AM), determinou nesta quarta-feira a prisão do ex-diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde Roberto Dias, acusado de ter mentido à comissão.

Dias chegou a dizer que o encontro num restaurante em Brasília com o PM Luiz Paulo Dominguetti, que o acusa de cobrar propina por vacinas, aconteceu por acaso. Afirmou que tomava chope com um amigo quando o policial chegou com o coronel Marcelo Blanco. Assim, do nada, veio uma oferta de 400 milhões de doses da vacina AstraZeneca...

Apesar da versão insustentável, a prisão de Dias é um exagero, já que ele não foi o primeiro a mentir na comissão. Revela apenas que a CPI perdeu o rumo das apurações e se vê enredada numa teia de mentiras que se mostra incapaz de deslindar.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos