Oposição decreta fim do governo e reúne esforços para impeachment de Temer; aliado pede renúncia

Foto: Odone Fagundes/Futura Press

BRASÍLIA (Reuters) - Logo após a divulgação de reportagem sobre gravação em que o presidente Michel Temer dá aval à compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha, a oposição comemorou o que considera um golpe certeiro no governo, defendeu o impeachment e mirou na necessidade da realização de eleições diretas, enquanto até mesmo um aliado defendia a renúncia de Temer.

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ), nos primeiros minutos após a divulgação da reportagem, anunciou no plenário do Senado que a bancada de seu partido se reuniria para definir os termos de um pedido de impeachment. Paralelamente, na Câmara, o deputado Alessandro Molon (Rede-RJ) protocolava na Secretaria-Geral da Câmara um novo pedido de impeachment de Temer.

Pouco depois, a oposição na Câmara reunia-se na liderança do PDT para discutir os próximos passos.

Em nota, os partidos PDT, PT, PCdoB, PSOL, Rede e PSB, este último integrante da base do governo, defenderam a renúncia ou o afastamento de Temer e a realização de "diretas já".

"Nós, congressistas de diversos partidos, nesta hora gravíssima que o país vive, com denúncias substantivas que envolvem diretamente Michel Temer, nos constituímos em fórum permanente pela democracia", diz a nota.

"Neste sentido, estamos empenhados no Congresso, junto ao STF (Supremo Tribunal Federal) e ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para que sejam tomadas todas as urgentes medidas nessa direção", afirma o documento.

O PT, um dos mais numerosos partidos da oposição, também reuniu suas bancadas na Câmara e no Senado para discutir sua estratégia de atuação, com muitos de seus integrantes defendendo a renúncia de Temer ou seu impeachment, a paralisação dos trabalhos do Congresso e a realização de eleições diretas.

"Neste momento em que surgem essa gravações, fica claro que esse governo não tem legitimidade para continuar governando. Chegou ao ponto final. O ponto final, se não for dado pela sua própria renúncia, que nós esperamos seja feita, será feito por esta Câmara e por este Senado através de um impeachment", disse o líder do PT na Câmara, Carlos Zarattini (SP).

"Nós não aceitamos, também, que se resolva a questão da sucessão a esse governo por eleições indiretas... O povo brasileiro tem que votar, o povo brasileiro tem que escolher", disse o petista.

Na mesma linha, o líder da Minoria na Casa, José Guimarães (PT-CE), afirmou que as duas bancadas estão tomando as iniciativas para "restaurar a normalidade democrática no Brasil".

"Nós temos que imediatamente procurar o presidente da Casa, todas as lideranças, paralisarmos todas as votações da Casa. Isso é fundamental, a Casa não pode funcionar numa crise dessa dimensão e busquemos uma solução política para a crise. E a solução não pode ser outra: é a convocação imediata de novas eleições", disse Guimarães a jornalistas.

De acordo com o jornal O Globo, Joesley Batista, um dos controladores do frigorífico JBS, gravou o presidente Michel Temer dando aval à compra do silêncio do ex-deputado federal Eduardo Cunha, preso em Curitiba.

A gravação feita por Joesley é parte de declaração que os controladores da JBS deram à Procuradoria-Geral da República em abril. Na conversa, o dono da JBS conta a Temer que pagava uma mesada a Cunha e ao doleiro Lúcio Funaro, um dos operadores presos na Lava Jato, para que ficassem calados. Ao receber a informação, Temer teria respondido: "Tem que manter isso, viu?".

O conteúdo da reportagem foi confirmado por três fontes à Reuters.

Em nota, o presidente Michel Temer negou que tenha pedido pagamentos para conseguir o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha ou que tenha autorizado qualquer movimento nesse sentido.

PEDIDO DE RENÚNCIA

O pedido de impeachment protocolado nesta quarta por Molon cita a reportagem e lista como crimes de responsabilidade os atos do presidente que atentem contra a Constituição, especialmente em casos de improbidade administrativa. Molon pede ainda que sejam ouvidos como testemunhas Joesley, o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), e o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, entre outros.

E em meio ao coro da oposição, o líder do DEM no Senado, Ronaldo Caiado (GO), divulgou nota defendendo a renúncia de Temer.

"Diante da gravidade do quadro e com a responsabilidade de não deixar o Brasil mergulhar no imponderável, só nos resta a renúncia do presidente Michel Temer e a mudança na Constituição. É preciso aprovar a antecipação das eleições presidenciais e do Congresso Nacional", defendeu Caiado, com a ressalva de que não se trata da posição oficial de sua bancada.

Na Câmara, o líder do DEM, Efraim Filho (PB), defendeu que qualquer medida seja tomada apenas após o desenrolar das investigações. Admitiu, no entanto, que seu partido não se furtaria de indicar integrantes para uma eventual comissão para analisar um impeachment de Temer.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)

Saiba mais: Empresário da JBS grava Temer aprovando propina para silêncio de Temer