Oposição faz marcha em silêncio contra Maduro na Venezuela

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Vestidos de branco, opositores venezuelanos fazem neste sábado (22) uma "marcha do silêncio" em Caracas, após o aumento da violência, que deixou 20 mortos em três semanas de protestos contra o governo.

Contingentes da militarizada Guarda Nacional e da polícia protegiam setores e acessos estratégicos de Caracas, enquanto alguns manifestantes começavam a se reunir em alguns pontos definidos por líderes da oposição. O protesto deve seguir até a sede da Conferência Episcopal.

O governo do presidente Nicolás Maduro acusou a Igreja venezuelana de ser um "ator político" de oposição.

Na sexta-feira à noite foram registrados pequenos protestos e focos de distúrbios em uma área de Petare e Palo Verde, zona leste de Caracas. As forças de segurança usaram gás lacrimogêneo para dispersar as manifestações. Testemunhas afirmaram que homens armados percorreram as ruas em motos e provocaram pânico.

Foi mais uma noite de violência em Caracas, depois da batalha campal de quinta-feira no bairro popular de El Valle, com tiroteios, saques e confrontos entre manifestantes e as forças de segurança.

Governo e oposição trocaram acusações sobre a violência, que desde o início das manifestações de rua em 1º de abril para exigir eleições gerais deixaram 20 mortos, além de centenas de detidos e feridos.

A oposição anunciou a intenção de manter a pressão nas ruas e convocou para segunda-feira uma "obstrução nacional", um bloqueio das principais avenidas de Caracas, em meio aos temores de que a violência continue no país.

"O país não tem um só osso saudável. As pessoas vão continuar protestando. O desafio da oposição será fazer entender que não existe apenas um método de protesto, porque provavelmente as marchas devem se desgastar", disse à AFP o sociólogo e professor universitário Francisco Coello.

De acordo com pesquisas, sete em cada dez venezuelanos reprovam o governo, asfixiados por uma severa escassez de alimentos e remédios, além de um inflação que segundo o FMI deve alcançar 720,5% este ano, a maior do mundo.

Maduro, cujo mandato vai até 2019, afirma que a "direita extremista venezuelana" busca derrubá-lo com o apoio dos Estados Unidos, mas a oposição insiste que deseja retirá-lo do poder pela via eleitoral.

As eleições para governadores deveriam acontecer em 2016, mas foram suspensas e ainda não têm data. As eleições municipais estão programadas para este ano e as presidenciais para dezembro de 2018.

Apesar de Maduro afirmar que está ansioso para disputar eleições, ele descartou antecipar as presidenciais e pede aos adversários um diálogo e o abandono do que chama de "agenda golpista".