Oposição pretende usar 'Pandora Papers' para destituir Lasso, diz ministra do Equador

·2 minuto de leitura
O presidente do Equador, Guillermo Lasso (centro), fotografado em encontro com os líderes da Confederação de Povos Indígenas do Equador (CONAIE), no Palácio Carondelet em Quito, em 4 de outubro de 2021 (AFP/RODRIGO BUENDIA)

A ministra de Governo do Equador, Alexandra Vela, disse nesta terça-feira (12) que a oposição no Congresso que investigará as citações envolvendo o presidente Guillermo Lasso nos "Pandora Papers", pretende lavá-lo a um julgamento político.

A Comissão de Garantias Constitucionais do Legislativo, "tem como objetivo chegar a um julgamento político contra presidente da república", disse Vela à emissora Teleamazonas.

A ministra acrescentou que isso pode levar a "uma crise política" no país. Um julgamento político, segundo a legislação equatoriana, resultar na destituição de um funcionário.

A investigação sobre os "Pandora Papers" tem como objetivo "esclarecer" se Lasso descumpriu a lei que proíbe os candidatos e funcionários públicos de possuir contas ou bens em paraísos fiscais, segundo o Legislativo.

A investigação jornalística denominada "Pandora Papers" revelou que personalidades e líderes de todo o mundo recorreram a paraísos fiscais para administrar bilhões de dólares. Entre os chefes de Estado latino-americanos citados também estão os presidentes do Chile, Sebastián Piñera, e da República Dominicana, Luis Abinader.

Lasso, um ex-banqueiro de direita que assumiu a Presidência em 24 de maio, se defendeu das acusações alegando que, anos atrás, fez "investimentos legítimos em outros países", mas que se desfez dos mesmos para concorrer nas eleições presidenciais de 2021.

Além disso, Lasso pediu à Controladoria Geral do Estado que examinasse o seu patrimônio. De acordo com uma carta divulgada pelo chefe de Estado no Twitter, nos últimos 15 anos ele pagou o equivalente a 588 milhões de dólares em impostos.

A investigação do Congresso "é uma questão de natureza política, através da qual se volta a produzir um bloqueio e o enfrentamento das forças políticas dentro da Assembleia Nacional", opinou Vela.

Nesse sentido, a ministra acrescentou que a relação entre os poderes Executivo e Legislativo "se projeta com muita tensão" para o futuro próximo.

pld/gm/rpr/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos