Oposição vê precedente perigoso e risco a movimentos sociais em argumento para prisão de Silveira

FÁBIO ZANINI
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Ainda que favoráveis à prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), um grupo de deputados de oposição pondera que a ideia de flagrante utilizada pelo ministro do STF Alexandre de Moraes pode criar um precedente perigoso que poderia colocar em risco a liberdade de atuação de movimentos sociais e de jornalistas. Eles devem apresentar essa ponderação na reunião de líderes convocada por Arthur Lira (PP-AL) para o começo da tarde. Em caráter reservado, parlamentares de oposição afirmam que é necessário demarcar essa ponderação para evitar a insegurança jurídica a grupos que atuam democraticamente, ainda que a prisão de Silveira deva, sim, ser mantida. É o que defenderão também no plenário da Casa. Em sua decisão, Moraes afirma que Daniel Silveira, "ao postar e permitir a divulgação do referido vídeo, que repiso, permanece disponível nas redes sociais, encontra-se em infração permanente e consequentemente em flagrante delito, o que permite a consumação de sua prisão em flagrante". A ideia de infração continuada, segundo ponderam esses deputados, tem escopo exageradamente amplo e dá margem para que vídeos (ou fotos, textos, conteúdos variados) publicados em qualquer momento e que ainda estejam no ar fundamentem mandados de prisão em flagrante para ativistas e jornalistas. "Divirjo da fundamentação da decisao quanto ao flagrante 'permanente'. Acho inconstitucional e um perigo ao direito à livre expressão na internet em especial. Seria mais adequado fundamentar no flagrante ortodoxo mesmo, o video acabava de ser postado", diz Pedro Serrano, professor de direito constitucional da PUC-SP ligado à esquerda, na mesma linha argumentativa dos deputados. Para eles, o flagrante está, sim, configurado, mas pelo cometimento recente do suposto crime, ou seja, a publicação do vídeo. Os deputados enfatizam que a prisão de Silveira deve ser mantida, pois ameaçou a integridade física de membros do STF e incitou a população à subversão da ordem política e social.