Orbán, polêmico premiê da Hungria, confirma presença na posse de Bolsonaro

LUCIANA COELHO E TALITA FERNANDES

SÃO PAULO, SP, E BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O controverso premiê da Hungria, o ultranacionalista Viktor Orbán, confirmou presença na posse de Jair Bolsonaro (PSL) e será um dos 12 chefes de Estado e governo que assistirão aos eventos de 1º de janeiro, cuja audiência costuma ser reduzida pela data desfavorável.

A organização da posse cita questões de segurança para não divulgar a lista completa de convidados confirmados, mas a reportagem apurou que Orbán, alvo de censurada União Europeia por causa de suas políticas anti-imigrantes e que foi um dos primeiros a se aproximar do eleito, está entre eles.

Até agora, são dados como certos os nomes de líderes sul-americanos  como Sebastián Piñera (Chile), Iván Duque (Colômbia) e Mario Abdo (Paraguai), que devem formar o novo círculo do Brasil na região, mais à direita. 

O argentino Maurício Macri, inicialmente desdenhado pelo novo governo e pelo futuro ministro Paulo Guedes (Economia), trocou a posse por uma visita ainda em janeiro. O uruguaio Tabaré Vázquez e o peruano Martín Vizcarra completam a lista regional.

Estava em aberto a vinda do boliviano Evo Morales —único governante da esquerda latina a não ser desconvidado pelo futuro governo, que excluiu os ditadores de Venezuela e Nicarágua e o dirigente de Cuba, embora tenha mantido outros autocratas na lista.

Mas se Orbán, que enfrenta protestos nas ruas, participará da posse, a Itália preferiu enviar o ministro da Agricultura, Gianmarco Centinaio, apesar da simpatia do ministro do Interior e número dois do governo, Matteo Salvini, pelo eleito.

Da Europa também virá o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Souza, cujo filho vive no Brasil, mas não o premiê, António Costa. Países da Europa Ocidental têm rejeitado associar-se a Bolsonaro, que provoca polêmica ao desprezar acordos apoiados por eles como o de Paris sobre o clima e o de migrações, e imitar Donald  Trump. 

Há ainda quatro presidentes, vice-presidentes e chanceleres da África cujos nomes a organização não divulgou. 

Cortejados por Bolsonaro e sua equipe, os EUA de Trump enviarão o secretário de Estado, Mike Pompeo. Há quatro anos, para a segunda posse de Dilma Rousseff, quem veio foi o então vice-presidente, Joe Biden.

O convidado mais ilustre deve ser mesmo o premiê de Israel, Binyamin Netanyahu, que chegou a colocar em dúvida sua presença na posse, auge de uma viagem de cinco dias para a qual ele embarca nesta quinta-feira (27) e que inclui um encontro prévio com Bolsonaro no Rio sexta-feira.

Segundo o Itamaraty, confirmaram presença ainda três vice-presidentes, 14 enviados especiais e três diretores de organismos internacionais.