Orçamento para 2021 prevê aumento de recursos para a Defesa e reajuste salarial só para militares

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Members of the Brazilian Armed Forces take part in a military exercise as part of the Agata operation, on the Oiapoque River in Oiapoque, Amapa state, Brazil, on the border with French Guiana, on October 31, 2020. - The Agata operation carried out by the Armed Forces, Federal Police, Federal Revenue and the Brazilian Institute for the Environment and Renewable Natural Resources (IBAMA), consists in combating drug and arms trafficking, smuggling, illegal mining and fishing, boat theft and irregular transportation of wood and fuel, in the states of Para and Amapa. (Photo by NELSON ALMEIDA / AFP) (Photo by NELSON ALMEIDA/AFP via Getty Images)
Membros das Forças Armadas serão a única categoria do funcionalismo a ter reajuste em 2021 (Photo by NELSON ALMEIDA/AFP via Getty Images)
  • Orçamento 2021 prevê R$ 8,3 bilhões para Ministério da Defesa

  • Valor representa um quinto (22%) de todo o Orçamento do governo federal

  • Militares são única categoria do funcionalismo a ter reajuste neste ano

O Ministério da Defesa tem previsto para este ano R$ 8,3 bilhões, o que representa um quinto (22%) do Orçamento total para todo o governo federal, segundo relatório apresentado na segunda-feira (22) pelo senador Márcio Bittar (MDB-AC). O texto deve ser votado no Congresso nesta semana.

Além disso, os militares são a única categoria que deve ser contemplada com reajuste, o que deve consumir outros R$ 7,1 bilhões dos cofres públicos, enquanto todo o restante do funcionalismo está com o salário congelado até dezembro.

Leia também:

Mesmo com pandemia, recursos para Saúde aumentam apenas R$ 1,2 bilhão

No momento de colapso do Sistema Único de Saúde (SUS) pelo agravamento da pandemia da covid-19, o parecer aumentou em apenas R$ 1,2 bilhão a destinação de recursos para a saúde em relação ao projeto que foi enviado pelo governo no ano passado.

Enquanto outros ministérios tiveram cortes, como a Educação, o orçamento de investimentos das Forças Armadas subiu de R$ 8,17 bilhões para R$ 8,32 bilhões. O Orçamento total para 2021 do governo federal é de R$ 37,6 bilhões previstos no parecer.

Gastos da Defesa incluem submarinos e aviões de caça

Os gastos incluem construção de submarinos nucleares e convencionais, aquisição de aeronaves de caça, desenvolvimento cargueiro tático e compra de veículos blindados.

Com o incremento tímido de recursos para a saúde, na maior crise sanitária da história, senadores e deputados esperam que sejam editados mais créditos extraordinários para a área, a fim de financiar despesas extras para a saúde, que ficam fora do teto de gastos, a regra que trava o crescimento das despesas à inflação.

O governo federal pode bloquear gastos não obrigatórios, incluindo os investimentos, como estratégia para cumprir a meta fiscal deste ano, que permite rombo de até R$ 247 bilhões.

Especialista prevê queda real para Saúde

Bruno Moretti, assessor no Senado e especialista em gastos de saúde, calcula que o orçamento para ações e serviços públicos de saúde, o que é contabilizado para apuração do mínimo e não leva em conta os gastos com aposentadorias e pensões, ficou em R$ 125 bilhões, abaixo do valor inicial do Orçamento de 2020, que foi de R$ 125,2 bilhões, sem os recursos extraordinários da pandemia.

“Em meio à pandemia, há queda nominal e real de recursos para o SUS. Se observarmos o Orçamento aplicado em 2020. Incluindo os créditos extraordinários, a queda em 2021, considerando a Lei Orçamentária, é de R$ 36 bilhões”, afirmou Moretti ao jornal Estado de S. Paulo.