Ordem de Bolsonaro para liberar caminhões contraria STF, que costurou acordo para barrar veículos

***ARQUIVO*** BRASILIA, DF,  BRASIL,  06-09-2022, Movimentação 7 de Setembro na Esplanada dos Ministérios.  (FOTO Gabriela Biló /Folhapress)
***ARQUIVO*** BRASILIA, DF, BRASIL, 06-09-2022, Movimentação 7 de Setembro na Esplanada dos Ministérios. (FOTO Gabriela Biló /Folhapress)

FOLHAPRESS - A determinação do presidente Jair Bolsonaro (PL) de liberar caminhões na Esplanada dos Ministérios nesta terça (6) surpreendeu a segurança do STF (Supremo Tribunal Federal), que costurou um acordo com o Congresso e com o Governo do Distrito Federal para que os veículos se mantenham a uma distância considerada segura da Praça dos Três Poderes.

Neste ano, Fux vinha dizendo que tudo ficaria tranquilo durante a semana da Independência, após a sua equipe montar uma estratégia para defender o órgão de forma mais robusta que o ano passado. O efetivo previsto, por exemplo, seria 70% maior do que em 2021.

A distância dos caminhões é importante para o tribunal para que a ordem seja mantida para os dias seguintes ao feriado.

Haverá sessão do plenário na quinta-feira (8), quando os ministros costumam estar presentes presencialmente para os julgamentos, além de autoridades como o procurador-geral da República.

No ano passado, na noite anterior ao 7 de Setembro, caminhões e ônibus derrubaram duas barreiras montadas pela PM e invadiram a Esplanada.

Já no dia seguinte à comemoração da Independência, mais de cem caminhões ocuparam a Esplanada dos Ministérios, sendo usados para pressionar pela derrubada dos bloqueios que davam acesso ao STF e ao Congresso.

Este ano, apesar da determinação de Bolsonaro, o governador do Distrito Federal Ibaneis Rocha (MDB) vetou a entrada dos caminhões na Esplanada.