Organização Pan-Americana de Saúde pede que população fique em casa contra o vírus

O Globo
·2 minuto de leitura

RIO — A Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) pediu nesta quarta-feira que as populações permaneçam em casa o máximo possível como medida preventiva contra a Covid-19.

“Sabemos exatamente como prevenir esse vírus”, afirmou a diretora da organização, Carissa Etienne, durante um pronunciamento. “A Opas acompanha e analisa os dados de mobilidade da internet e das companhias telefônicas, e vemos repetidamente que, à medida que a população em certas áreas sai de casa com mais frequência, os casos aumentam.”

Segundo Etienne, quando há feriados e as pessoas se encontram ou viajam, os casos aumentam:

“Então, deixe-me ser o mais claro possível. Minha orientação principal para locais com picos de transmissão pode ser resumida em duas palavras: fique em casa. Se você pode evitar convidar outras pessoas, evite. E se tiver que sair de casa, use máscara, lave as mãos com frequência e fique longe de lugares lotados”.

A Opas anunciou que uma das três variantes preocupantes do novo coronavírus já foi identificada em 32 países e territórios da América.

Segundo a organização, a variante brasileira pode ser responsável por aumento de casos no país. Ela citou o colapso hospitalar no Brasil, com praticamente todos os estados, menos Amazonas e Roraima, com taxa de ocupação dos leitos de UTI acima de 80%.

“A mortalidade aumenta quando isso acontece porque os pacientes têm dificuldade em encontrar os cuidados de que precisam e os profissionais de saúde ficam sobrecarregados por cuidar de muitas pessoas ao mesmo tempo.”

A diretoria da organização alertou que nossa região pode enfrentar uma onda viral muito maior do que a anterior caso não sejam adotadas medidas protetivas, “como ocorre no Uruguai, Brasil e Cuba”.

A Opas afirmou que já foram entregues mais de 2,5 milhões de doses de vacinas do consórcio Covax Facility a 17 países da região nos últimos 30 dias e que, até a próxima semana, todas as nações do continente terão recebido doses.

“As vacinas não são o único recurso escasso em 2021. À medida que os casos aumentaram, alguns Estados-membros enfrentaram escassez de suprimentos essenciais para proteger o pessoal de saúde e tratar os infectados. Nos primeiros meses do ano, a disponibilidade de oxigênio e medicamentos anestésicos tem sido ameaçada pela velocidade de novos casos que inundam hospitais no Brasil, Peru e outros lugares.”

Até o momento foram registrados mais de 19,7 milhões de casos de Covid no continente e 475 mil mortes na América.