Organizações parceiras do Twitter temem por mudanças 'perigosas' trazidas por Musk

Elon Musk olhando para baixo, com mão no queixo e feição preocupada
Enquete de Musk (foto) sobre volta de Donald Trump ao Twitter e retorno de Kayne West à plataforma estão gerando insegurança entre antigos parceiros da empresa

Uma das principais parceiras do Twitter, uma organização da sociedade civil afirmou estar considerando encerrar seu relacionamento com a plataforma por conta de mudanças recentes na rede social.

A Anti-Defamation League (ADL, "Liga Antidifamação", em tradução livre) afirmou que a recente decisão de Elon Musk de restabelecer a conta do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump é "perigosa e inconsistente". A organização acrescentou que a permissão à volta do rapper Kanye West ao Twitter "levantou preocupações".

Alguns dos principais anunciantes do Twitter também já expressaram dúvidas sobre o futuro de seus contratos com a empresa.

O Twitter não respondeu ao pedido de posicionamento da reportagem mas, em seu site destinado à publicidade, a empresa diz que tem "relações frutíferas de longa data com grupos e organizações importantes de direitos civis, incluindo a NAACP [National Association for the Advancement of Colored People], ADColor e a Anti-Defamation League".

De acordo com a ADL, Musk se reuniu com o grupo em 1º de novembro e assegurou que ninguém anteriormente banido da rede seria reintegrado até que fosse instalado um processo transparente e claro, levando em consideração posicionamentos da sociedade civil.

Mas o diretor da ADL, Jonathan Greenblatt, disse que "as decisões de Musk no mês passado levantaram sérias preocupações".

No sábado (19/11), Musk, que comprou o Twitter por US$ 44 bilhões no mês passado, fez uma enquete em sua conta na rede social perguntando se Trump deveria ou não ter permissão para voltar à plataforma. A pesquisa recebeu mais de 15 milhões de votos, e o apoio à volta do ex-presidente ganhou de 52% a 48%.

Trump falando no microfone, com bandeiras dos EUA atrás
Donald Trump foi banido do Twitter em janeiro de 2021

Musk tuitou que o "povo manifestou sua vontade" e restabeleceu a conta de Trump, que ainda não fez nenhuma postagem. O Twitter do ex-presidente americano foi suspenso em janeiro de 2021 pela acusação de incitação à violência.

"Esta decisão é perigosa e inconsistente com o que Musk havia indicado anteriormente ao nosso grupo. Isso nos obriga a pensar se ele está falando sério sobre proteger a plataforma do ódio, do assédio e da desinformação", disse Greenblatt.

O rapper Ye (anteriormente Kanye West) foi banido por uma postagem antissemita em outubro de 2022, mas começou a tuitar novamente no domingo (20/11) para seus 32 milhões de seguidores.

A NAACP, outra organização de direitos civis citada como uma das principais parceiras do Twitter, está pedindo aos anunciantes que boicotem o site.

No domingo, Derrick Johnson, presidente da NAACP, tuitou que "qualquer anunciante que ainda financie o Twitter deve interromper imediatamente toda a publicidade agora".

Estima-se que o Twitter ganhe 90% de seu dinheiro com publicidade.

Em uma seção do seu site, o Twitter lista três organizações do segmento da publicidade como suas principais parceiras.

Uma delas, o Brand Safety Institute (BSI, algo como "Instituto de Segurança das Marcas"), disse à BBC que a reputação do Twitter como "parceiro louvável e confiável na luta pela segurança das marcas" está ameaçada.

Um porta-voz do BSI afirmou: "Estamos desanimados com a mudança de abordagem escolhida por Musk e continuaremos a educar os anunciantes, e a trabalhar com as plataformas, sobre as opções que eles têm para oferecer experiências online saudáveis ​​para marcas e pessoas".

Ye olhando para o lado, aparentemente do lado de fora de um prédio
O rapper Ye (anteriormente Kanye West) voltou a postar para seus 32 milhões de seguidores

Os outros dois parceiros de publicidade do Twitter são a 4As e a Association of National Advertisers (ANA, a Associação de Anunciantes Nacionais dos EUA).

A ANA diz que não comenta assuntos relativos a negócios específicos. A 4As afirmou que está monitorando o desenrolar da situação e aconselhando seus membros de acordo com isto.

Em sua declaração à BBC, a ADL também disse que a diminuição repentina no número de funcionários do Twitter levou a uma queda nos padrões de moderação da rede. Segundo a organização, "o ódio e a desinformação proliferaram". A ADL informou ainda que, segundo seus dados, a reação do Twitter a posts antissemitas caiu de uma média de 60% para apenas 30%.

Entretanto, em entrevista ao jornal New York Times, o ex-diretor de segurança e confiabilidade do Twitter Yoel Roth disse que, desde a aquisição da empresa por Musk, a moderação da plataforma permaneceu praticamente a mesma e talvez até tenha aumentado.

"Musk capacitou minha equipe a agir de forma mais agressiva para remover o discurso de ódio em toda a plataforma — censurando mais conteúdo, e não menos", disse ele sobre seus últimos dias na empresa.

- Este texto foi publicado em https://www.bbc.com/portuguese/geral-63710995