Ortega busca estender mandato em eleições questionadas na Nicarágua

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Daniel Ortega
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Diego Oré e Daina Beth Solomon

(Reuters) - Os nicaraguenses saíram para votar neste domingo em uma eleição geral amplamente questionada pela comunidade internacional e que, muito provavelmente, terminará com o triunfo do atual presidente, Daniel Ortega, que estenderia seu mandato, pelo menos, até janeiro de 2027.

Depois de prender cerca de 30 opositores, incluindo sete candidatos à presidência, Ortega pavimentou o caminho para um quarto mandato consecutivo e prolongou sua trajetória como o presidente com mais tempo no cargo no continente americano.

Cinco candidatos competem contra Ortega e sua esposa e vice-presidente, Rosario Murillo. No entanto, analistas e opositores acreditam que se prestaram ao que chamaram de "farsa" eleitoral. O mesmo ocorre com o Congresso --controlado pelo partido no poder-- que também será renovado.

O dia da eleição, para o qual quase 4,5 milhões de nicaraguenses estão inscritos, começou cedo e terminará as 18h (horário local).

Testemunhas da Reuters testemunharam filas de cidadãos para votar. No entanto, grupos de oposição compartilharam nas redes sociais imagens de ruas e centros de votação vazios.

"Daniel Ortega reivindicará um quarto mandato presidencial consecutivo no domingo sob eleições amplamente desacreditadas. Sua vitória só terá sido possível prendendo seus concorrentes", disse Jason Marczak, do Atlantic Council, uma ONG com sede em Washington.

"Mais instabilidade e repressão desencadearão uma nova onda de migração, tanto ao sul quanto ao norte da fronteira com os Estados Unidos. A questão não é o que acontecerá em 7 de novembro, mas com que força os Estados Unidos e outras democracias responderão em 8 de novembro", ele adicionou.

Durante a semana, o governo do presidente Joe Biden disse que estava disposto a impor mais sanções contra o governo de Ortega e Murillo. Além disso, Washington iniciou uma revisão da participação da Nicarágua em um acordo de livre comércio com a América Central.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos