Os desafios de Petro: militares, empresários e uma Colômbia dividida

Gustavo Petro convenceu metade dos colombianos com suas promessas de mudança. Mas agora o primeiro presidente de esquerda eleito do país terá que formar maiorias e vencer a resistência de militares e empresários para governar um país dividido sobre seu mandato.

Para vencer o outsider milionário Rodolfo Hernández (47,3%), o ex-guerrilheiro e senador de 62 anos moderou muitas de suas antigas posições radicais. Depois de vencer o segundo turno com 50,4% dos votos, ele tem a responsabilidade de governar um país marcado pela polarização após uma campanha agressiva.

A seguir, os principais desafios que Petro enfrentará, segundo analistas:

- Formar maiorias -

Uma bancada importante, mas não majoritária, acompanhará as iniciativas do inédito governo de esquerda no Parlamento.

"Agora o problema é a governabilidade no Congresso. Petro deve tentar propor o que chamou de grande acordo nacional (...) porque claramente o país está bem fragmentado em dois setores", disse à AFP Alejo Vargas, professor do Direito da Universidade Nacional.

A opinião é compartilhada por Sergio Guzmán, da consultoria 'Colombia Risk Analysis': "Este resultado não dá um mandato claro para executar suas políticas sem ao menos tentar acalmar os questionamentos de seus opositores".

Durante o mandado como prefeito de Bogotá (2012-2015), Petro entrou em conflito com a Câmara Municipal, que barrou muitas de suas iniciativas. Agora ele chega à presidência cercado de políticos tradicionais, que podem servir de ponte com o Parlamento.

"Ele vai enfrentar uma oposição muito forte, porque a direita neste país é a principal ideologia. Apesar de estar espalhada por muitos partidos é fácil estabelecer uma associação e desafiar o governo de Petro", afirma Felipe Botero, professor de Ciências Políticas da Universidad de Los Andes.

- Apaziguar os mercados -

Em seu primeiro discurso como presidente eleito, Petro enviou uma mensagem tranquilizadora ao empresariado, que durante a campanha o acusou de promover um socialismo fracassado.

"Foi uma campanha de mentiras e medo, que iríamos expropriar os colombianos, destruir a propriedade privada (...) Nós vamos desenvolver o capitalismo na Colômbia. Não porque o adoramos, mas porque primeiro temos que superar a pré-modernidade", disse à multidão que celebrava sua vitória.

Para Botero, esta foi uma "mensagem muito clara à direita, dizendo 'eu sou de esquerda, mas isto não quer dizer que vou transformar radicalmente o modelo econômico'".

O economista Jorge Restrepo, no entanto, alerta que o ex-guerrilheiro e senador ainda precisa construir "confiança" com o setor produtivo.

"Tem a ver com não considerar as empresas como rivais, e sim gestores de desenvolvimento e geração de empregos (...) É muito difícil porque não há antecedentes de um governo de esquerda a nível nacional", adverte o professor da Universidade Javeriana.

A julgar pelo primeiro discurso de Petro, o atrito não vai demorar: "Ele disse coisas que envolvem regulamentação, um dos principais medos dos mercados", disse Botero.

O empresário Mario Hernández, ativo opositor de Petro durante a campanha, se mostrou aberto ao diálogo.

"Chegou a oportunidade para Gustavo Petro demonstrar a 50% dos colombianos e a mim que estávamos equivocados", escreveu no Twitter o magnata do setor de vestuário.

- Nos quartéis -

Após a posse, os militares terão que jurar lealdade a um ex-membro das guerrilhas esquerdistas que combateram durante seis décadas de conflito.

No fim de abril, Petro acusou membros da cúpula militar de aliança com o Clã do Golfo, o maior grupo de narcotráfico do país.

Em resposta, o comandante do exército, general Eduardo Zapateiro, o acusou de "politicagem", em uma incomum intervenção política em um país onde a Constituição proíbe a força de segurança pública de participar no debate político e votar.

"A desconfiança entre o presidente e os militares é significativa", afirma Guzmán, antes de acrescentar que o esquerdista "terá que escolher um ministro da Defesa que tenha o respeito e a confiança dos membros das Forças Militares".

Em caso contrário, destaca, a transição será um "desastre".

"O que todos os presidentes fazem quando chegam ao poder é um expurgo dos altos postos militares (...) Petro tem que fazer isso com luva de pelica", explica Botero.

Neste sentido será fundamental o nome escolhido para o cargo de ministro da Defesa. Até o momento, o presidente eleito revelou apenas que nomeará para a pasta uma mulher especializada em Direitos Humanos.

jss/das/vel/dga/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos