Os especialistas de Warren Buffett vão revelar o que você pode esperar da Berkshire Hathaway

Redação Finanças
·4 minuto de leitura
Berkshire Hathaway chairman Warren Buffett gestures at the start of a 5km race sponsored by Brooks Sports Inc., a Berkshire-owned company, in Omaha May 5, 2013, a day after the company's annual meeting. Buffett at the meeting on May 4, 2013 gave the most extensive comments to date about the future of Berkshire Hathaway Inc after he is gone, saying he still expects the conglomerate to be a partner of choice for distressed companies.  REUTERS/Rick Wilking (UNITED STATES - Tags: BUSINESS SPORT ATHLETICS)
O evento é uma tradição anual de meio século em que o CEO da Berkshire, Warren Buffett, conduz para cultivar acionistas de qualidade

Se você nunca participou da reunião anual da Berkshire Hathaway coloque na sua lista de prioridades e aproveite para acompanhar virtualmente este ano.

O evento é uma tradição anual de meio século em que o CEO da Berkshire, Warren Buffett, conduz para cultivar acionistas de qualidade, explicando - e celebrando - a cultura da empresa. Os acionistas tradicionais da Berkshire sempre leem a carta anual de Buffett direcionada aos acionistas antes da reunião.

A ocasião é uma oportunidade para que eles conheçam os princípios do mundo dos negócios empresariais do proprietário da Berkshire que o distinguem dos demais, como o senso de parceria e permanência, as virtudes da autonomia e honra, o valor da análise de negócios e a utilidade de conceitos como círculos de competência, fossos econômicos e margens de segurança.

As reuniões presenciais da Berkshire atraem milhares de pessoas a Omaha, em Nebraska, anualmente. Para se ter uma ideia, em 2019, foram mais de 40.000 participantes - muitos passando vários dias desfrutando de dezenas de painéis paralelos, apresentações, festas, jantares e palestras sobre livros.

As reuniões variam de debates sobre os pontos mais importantes da carta dos acionistas daquele ano a jogos mais descontraídos, churrascos e brunchs com champanhe. No salão de reuniões, as empresas Berkshire - subsidiárias e investidas - oferecem seus produtos e serviços, desde Dairy Queen a GEICO e Coca-Cola.

Segundo encontro virtual da Berkshire Hathaway

Este ano, a reunião de 1º de maio será virtual, sem atividades presenciais, e a previsão é de que milhões de pessoas em todo o mundo acompanhem o evento com o “Oráculo de Omaha” —a julgar pela reunião do ano passado, que atraiu 2,5 milhões de transmissões ao vivo e 28,4 milhões em aplicativos e mídia do Yahoo Finanças, que transmite a reunião desde 2016.

Para atender aos leitores vorazes entre os acionistas da Berkshire, nas últimas duas décadas, Buffett designou algumas dezenas de livros para venda em cada reunião, somando 120 títulos. Milhões de pessoas leram "Warren Buffett Way", de Robert Hagstrom, desde sua primeira edição de 1994. Este ano, os acionistas estão lendo seu mais recente "Warren Buffett: Inside the Ultimate Money Mind", o livro mais recente sobre investimentos e Berkshire para investidores de todas as idades. Enquanto outros refazem os gurus ou republicam antigos relatórios financeiros, Robert revela como “o investimento bem-sucedido requer a combinação dos melhores métodos com o temperamento certo”, o que Buffett chama de “mente do dinheiro”.

O panelista Tom Gayner tinha 29 anos quando participou de sua primeira reunião na Berkshire em 1991. Voltando anualmente desde então, ele aprendeu valores como paciência e confiança e cultivou uma base de acionistas de alta qualidade para sua empresa, Markel. Por décadas, ele organizou o "brunch da Markel" durante a semana do evento da Berkshire, que começou como um grupo de seis conhecidos e, mais recentemente, atraiu 1.400 pessoas. Gayner dá os créditos a Carol Loomis que despertou seu interesse pela Berkshire. Um artigo publicado na Fortune em 1983 na Fortune chamou a atenção de Gayner.

Já Carol foi durante décadas a editora da carta anual de Buffett aos acionistas e escreveu uma obra incomparável sobre Buffett e Berkshire: "Tap Dancing to Work", de 2012. Sua mensagem é clara e direta para os novos e veteranos acionistas da Berkshire: “Não se esqueça de que você não está comprando ações. Você está comprando uma participação parcial em um negócio.”

Embora muitas empresas possam migrar suas reuniões anuais totalmente para o online, aquelas com cultura baseada no cultivo de acionistas não podem se tornar totalmente virtuais ou simplesmente simplificar o evento principal. No mínimo, solicitar e responder as perguntas dos acionistas na sessão é necessário, como faz a Berkshire. Para outros, como a Berkshire, realizar eventos simultâneos é fundamental, principalmente para envolver os acionistas individuais, especialmente os grupos mais jovens e diversos que manterão a qualidade de uma base de acionistas na próxima geração.

Muitos acionistas da Berkshire participam há décadas da reunião e, há alguns anos, Lawrence A. Cunningham e sua mulher, Stephanie Cuba, convidaram um grupo de acionistas para escrever um livro de memórias em conjunto: "The Warren Buffett Shareholder". Tom Gayner e Robert Hagstrom contribuíram com um dos 40 ensaios e Carol também escreveu na capa: “Oh, estar em Omaha no primeiro fim de semana de maio”.

Enquanto a reunião presencial em Omaha só deve acontecer em 2022, a próxima melhor coisa deste ano será se juntar à equipe do Yahoo Finanças para acompanhar ao vivo as palavras de Buffett.