Os livros do Bicentenário da Independência

Enquanto o governo federal não está nem aí para a celebração do Bicentenário da Independência — deve pensar que não rende voto —, as editoras estão a mil com livros que discutem a efeméride. Alguns exemplos:

Ática: “Almanaque do Brasil nos tempos da Independência”, de Jurandir Malerba.

Globo Livros: edição especial de “1822”, de Laurentino Gomes.

Cia. das Letras: “O sequestro da Independência”, de Lilia Schwarcz, e “Adeus, senhor Portugal”, de Rafael Cariello e Thales Pereira.

Todavia: “Ideias em confronto: embates pelo poder na Independência do Brasil, 1808-1825”, escrito pela pesquisadora Cecilia Helena de Salles Oliveira.

Bazar do Tempo: “Independência do Brasil: as mulheres que estavam lá”, de Antonia Pellegrino e Heloisa Starling.

Boitempo: “Independência do Brasil: a história que não terminou”, organizado por Antonio Carlos Mazzeo e Luiz Bernardo Pericás.

Editora da Fundação Lauro Campos: “Independência e vida”, de Chico Alencar.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos