Os surpreendentes benefícios de andar de pés descalços

O hábito de andar descalço e literalmente os pés no chão tem voltado a ser uma atividade presente na vida das pessoas, pois além de ser uma forma de conexão com as nossas raízes, traz surpreendentes benefícios para a saúde. Ao contrário de nossos ancestrais, hoje a sociedade utiliza sapatos em todos os momentos, inclusive nas atividades físicas. Assim, algumas habilidades manipulativas e locomotivas passadas pelos nossos antepassados se perdem em nosso estilo de vida, como caminhar longas distâncias descalço, subir em árvores, permanecer agachado e flexionado por horas ou levantar pesos.

A cinesiologista licenciada e instrutora de hatha yoga e yogaterapia Kiki Martínez, aponta algumas informações sobre essa parte do corpo, que ela define como uma estrutura complexa:

— Os pés são nosso alicerce, a base. Se essa base for instável ou fraca, toda a estrutura será afetada. De fato, muitos problemas no joelho, quadril e até na coluna estão diretamente relacionados ao estado dos nossos pés — disse.

A especialista destaca que na planta do pé existe um número significativo de receptores que retroalimentam nosso sistema nervoso continuamente, notificando-o de qualquer irregularidade que possa surgir, fazendo o corpo reagir e reorganizar a postura. No pé, a epiderme é mais espessa do que no resto do corpo, o que contribui para melhorar a resistência e capacidade de aguentar cargas.

— Outros receptores nos alertam sobre a temperatura do solo ou a posição das articulações, para nos ajudar a modificar nossa postura, mantendo o equilíbrio e poder continuar caminhando — explica. Ela diz que quando crianças enquanto estamos crescendo e brincando, experimentamos algo semelhante a isso. Isso não se refere a deixá-las descalças o dia todo, principalmente em dias mais frios, mas sim deixá-la brincar, engatinhar ou quando está dando os primeiros passos descalços.

Agustín Guarna, que é pesquisador evolutivo em saúde e instrutor em treino personalizado, destaca a importância dos pés como base de sustentação do corpo. Ele aconselha que, em vez de buscar calçados cada vez mais acolchoados que substituam a função do pé, seria importante voltar a treinar os músculos da sola do pé para que façam o seu trabalho de origem.

— A novidade dentro de uma visão evolutiva é usar calçados. Portanto, seria preciso pensar nos danos de fazer algo diferente de como fomos projetados geneticamente. Há muitos músculos do pé que, por estarem dentro de uma caixa, como o sapato, não são usados, e quando um músculo não é usado ele atrofia ou perde a funcionalidade — diz.

Para começar a incluir o hábito de fazer atividades físicas descalço, Kiki Martinez aconselha fazer uma consulta com um profissional para uma avaliação. Ela explica que os arcos dos pés servem para amortecer impactos, distribuir adequadamente a carga recebida e também permitir que o pé se adapte, em relação aos diferentes terrenos onde nos movemos.

— Para quem quer começar a ativar os pés, arcos e músculos, recomendo que inicie uma atividade que seja feita descalço, como a ioga. Além disso, é uma disciplina completa onde são trabalhados ao mesmo tempo exercícios de força e equilíbrio que desafiam a gravidade, exercícios de flexibilidade articular e alongamento muscular, respeitando as possibilidades de cada um — aconselha.

Guarna sugere que começar a treinar descalço teria que ser feito progressivamente. Ele explica que se aquele pé estava acostumado com sapato, está adormecido, então a transição pode ser prejudicial, causando lesões. O ideal é ir se adaptando a treinos mais simples sem o uso dos sapatos para fazer uma progressão menos abrupta.