Os toxicodependentes de Cabul

As pontes de Cabul abrigam outra realidade debaixo do regime talibã, no Afeganistão. Até mil viciados em heroína vão até á ponte Pol-e-shokta - um ponto de encontro insalubre para comprar e consumir ópio. Muitos são obrigados a dar entrada na prisão para se reabilitarem do consumo de drogas, porque os hospitais não têm lugar para todos. Duras histórias de vida levaram-nos ao desespero.

Desemprego, a falta de família para apoio. Até já vi uma explosão mesmo diante dos meus olhos. As pessoas ficaram despedaçadas e partes do corpo voaram e caíram de volta no chão. As drogas são a única forma de escapar à depressão que ver algo assim provoca.

A produção e consumo de ópio aumentam apesar das promessas e proibições do regime talibã. Estima-se que existam perto de 4 milhões de toxicodependentes num país com, aproximadamente, 38 milhões de pessoas.

Infelizmente, não há nenhum tratamento de acompanhamento uma vez que têm alta do hospital. Cerca de 30 a 40% dos pacientes não estão aqui pela primeira vez.

No ano passado, a colheita de ópio no Afeganistão representou 85% da produção mundial.