Oscar 2023 tem surpresas, esnobados e exclui mulheres na direção

Academia de Artes e Ciências Cinematográficas revelou os indicados nesta terça-feira (24)

"Nada de Novo no Front", "Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo" e "Aftersun" estão entre os destaques do Oscar 2023. (Fotos: Divulgação/Netflix/Diamond Filmes/Mubi)
"Nada de Novo no Front", "Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo" e "Aftersun" estão entre os destaques do Oscar 2023. (Fotos: Divulgação/Netflix/Diamond Filmes/Mubi)

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas revelou nesta terça-feira (24) os indicados ao Oscar 2023. A lista contou com surpresas, recordistas de indicações, esnobou filmes aclamados e deixou mulheres fora da categoria de direção, mais uma vez. Confira:

Os mais indicados da edição

A lista é liderada por "Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo", filme de ficção científica que recebeu 11 indicações, incluindo de Melhor Filme. A história dirigida por Daniel Kwan e Daniel Scheinert leva o público a uma viagem divertida e emocionante pelo multiverso.

Empatados com 9 indicações, estão "Nada de Novo no Front", longa alemão da Netflix que chamou a atenção no BAFTA, e a comédia "Os Banchees de Inisherin". A cinebiografia "Elvis" concorre a 8 categorias, incluindo de Melhor Ator para Austin Butler, por seu desempenho como Rei do Rock. Disputando 7 estatuetas, "The Fabelmans" rendeu uma indicação a Steven Spielberg como Melhor Direção e a Michelle Williams como Melhor Atriz.

Surpresas

Ana de Armas como a atriz Marilyn Monroe em
Ana de Armas como a atriz Marilyn Monroe em "Blonde". (Foto: Reprodução/Netflix)

"Blonde" foi um dos recordistas de indicações ao Framboesa de Ouro, premiação que elege "os piores do ano". Apesar de ter dividido opiniões, o filme rendeu a Ana de Armas indicação como Melhor Atriz por seu desempenho no papel de Marilyn Monroe.

Vencedor da Palma de Ouro de Cannes, a sátira "Triângulo da Tristeza" garantiu espaço em Melhor Filme, Roteiro e Direção. Já Andrea Riseborough conquistou uma vaga como Melhor Atriz.

Outra grata surpresa para o público foi a indicação de Paul Mescal, a primeira de sua carreira, como Melhor Ator por "Aftersun". O filme reflete sobre a inocência da infância e dores da memória.

Esnobados

Viola Davis como a guerreira Nanisca no filme
Viola Davis como a guerreira Nanisca no filme "A Mulher Rei". (Foto: Divulgação/Sony Pictures)

Muitos esperavam que Viola Davis garantisse uma indicação como Melhor Atriz por "A Mulher Rei", entretanto, o filme não chegou a garantir espaço nem mesmo nas categorias técnicas, como Melhor Figurino e Fotografia.

O indiano "RRR" é um sucesso da Netflix e era esperado que aparecesse ao menos entre os indicados a Melhor Filme Internacional, mas foi citado apenas em Canção Original, por "Naatu-Naatu".

Além disso, "Não! Não Olhe!", de Jordan Peele, "O Menu", de Mark Mylod, e a canção "Carolina", de Taylor Swift para a trilha sonora "Um Lugar Bem Longe Daqui", não ficaram entre os finalistas. "Pinóquio", de Guillermo Del Toro e Mark Gustafson, foi nomeado como Melhor Animação, mas era esperado que o longa também estivesse na categoria principal

Ausência de mulheres na direção

Paul Mescal e Frankie Corio em
Paul Mescal e Frankie Corio em "Aftersun". (Foto: Divulgação/O2 Filmes)

Em 95 anos de Oscar, somente sete mulheres foram indicadas à categoria de Melhor Direção, o que gerou inúmeras críticas e protestos em Hollywood nos últimos anos. Nas últimas duas edições, Chloé Zhao e Jane Campion venceram as categorias por "Nomadland" e "Ataque dos Cães", respectivamente, e o que parecia ser um importante progresso, voltou a estagnar.

Esse ano, era esperado que Charlotte Wells ("Aftersun") e Sarah Polley ("Entre Mulheres") conquistassem indicações após destaque na temporada de premiações, mas ambas ficaram fora da disputa.