Oscar e ABC rejeitam anúncio que mostra mães no pós-parto por ser 'muito gráfico'

Maya Oppenheim, do The Independent

O Oscar foi duramente criticado por se recusar a publicar um anúncio que analisa os problemas enfrentados por mulheres após o parto. A empresa Frida Mom, que vende produtos para aliviar problemas do período pós-parto, disse que seu anúncio foi considerado "muito gráfico" para ser exibido pela American Broadcasting Company (ABC) e pelo Oscar.

O anúncio mostra uma mãe recente acordando com um bebê chorando durante a noite, que ela acalma antes de se esforçar para ir até o banheiro trocar sua roupa de baixo de malha hospitalar e seu absorvente tamanho grande para sangramento pós-parto.

"A recuperação pós-parto não precisa ser tão difícil", diz um slogan no final do anúncio, antes de mostrar os produtos.

— Não é de natureza violenta, política ou sexual. Nosso anúncio não é religioso ou obsceno e não mostra armas ou munições — afirmou a marca, que admitiu saber que "higiene feminina e alívio de hemorróidas também são assuntos proibidos".

— É apenas uma nova mãe, em casa com seu bebê e seu novo corpo pela primeira vez. No entanto, foi rejeitado. E nos perguntamos por que as novas mães se sentem despreparadas — acrescentou a empresa.

A marca afirmou que o anúncio foi considerado uma infração às diretrizes da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas por ser "muito gráfico, com nudez parcial e demonstração de produto".

O "Independent" entrou em contato com o Oscar para que comentasse, mas até o momento não recebeu resposta.

A atriz Busy Philipps, que estrelou a série "Dawson's Creek" e o filme "As Branquelas", afirmou em um post no Instagram:

"Acredito fortemente que quanto mais pudermos NORMALIZAR A EXPERIÊNCIA CORPORAL DE UMA MULHER NA MÍDIA, melhor será nossa cultura e sociedade. E sim, isso significa em anúncios também. Você provavelmente nem vacila quando um anúncio de disfunção erétil é exibido, mas ESTE ANÚNCIO É REJEITADO?! Acho que essa é uma publicidade incrível que representa com precisão algo que milhões de mulheres conhecem intimamente. E eu estou tão cansada de viver em uma sociedade onde o ato de simplesmente SER UMA MULHER é rejeitado pelos guardiões da mídia. Bem. Que vergonha para eles e não para nós por simplesmente sermos mulheres humanas.”

Outro crítico tuitou: “Este é o retrato mais honesto e indutor de alívio daquelas primeiras semanas pós-parto. O doloroso embaralhar, os absorventes do tamanho de colchões, a mamadeira molhada enquanto o bebê chora.”

E mais um internauta comentou: "É 2020, anúncios importantes como esse não devem ser proibidos".