Otan avalia futuro de missão no Afeganistão em meio a aumento de fadiga e frustração

Tropas da Otan na área de Torkham, no Afeganistão. 16/06/2014 REUTERS/ Parwiz

Por Krista Mahr e Sabine Siebold CABUL/ZARAGOZA, Espanha (Reuters) - Parceiros da Otan estão considerando maneiras de reforçar a missão de treinamento e assistência no Afeganistão, à medida que crescem as preocupações sobre a capacidade das forças locais de enfrentarem uma insurgência crescente de militantes do Taliban, de acordo com autoridades em Bruxelas e Cabul. O sucesso do Taliban em tomar a cidade de Kunduz, no final de setembro, e mantê-la por diversos dias causou choque entre parceiros internacionais do Afeganistão, que investiram bilhões de dólares na tentativa de criar uma força de segurança capaz de se manter. "A situação é preocupante, não é tão estável quanto esperávamos que seria", disse o general Hans-Lothar Domroese, veterano do Afeganistão, que é o segundo principal general da Alemanha na Otan. Falando às margens de um exercício da Otan na Espanha, ele disse que o fraco controle do governo em muitas áreas e a corrupção estão dificultando o reforço de segurança, mas acrescentou: "se não ficarmos, vai virar um turbilhão, e existe um perigo significativo de isso acontecer". Ministros de países da Otan estão programados para se encontrar em dezembro para decidir o futuro da missão Apoio Firme, uma operação de não combate liderada pela Otan e iniciada em janeiro para treinar, assessorar e ajudar o governo afegão e as forças locais de segurança. Formalmente o acordo entre Otan e Afeganistão não tem data de fim determinada, mas, na prática, seu futuro depende da vontade dos países membros de se comprometerem com o envio de tropas e recursos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos