Otan diz que explosão na Polônia provavelmente foi causada por míssil ucraniano, mas Moscou tem responsabilidade

Secretário-geral da Otan Jens Stoltenberg

Por Sabine Siebold

BRUXELAS (Reuters) - O secretário-geral da Otan disse que a explosão de terça-feira na Polônia provavelmente foi causada por um míssil de defesa aérea ucraniano, mas que a Rússia é a responsável em última instância porque iniciou a guerra.

O míssil que caiu em uma instalação de grãos polonesa, matando duas pessoas, inicialmente levantou o alarme global de que a guerra na Ucrânia poderia se espalhar para os países vizinhos.

A notícia de que provavelmente não foi disparado pela Rússia ajudou a aliviar a pressão, mas não isentou Moscou da culpa, disse Jens Stoltenberg a repórteres após uma reunião de emergência dos embaixadores da Otan.

"Deixe-me ser claro, isso não é culpa da Ucrânia", afirmou Stoltenberg.

"A Rússia é responsável pelo que aconteceu na Polônia ontem, porque isso é resultado direto da guerra em curso e uma onda de ataques da Rússia contra a Ucrânia ontem."

Stoltenberg disse que o incidente provou os riscos da guerra na Ucrânia, mas não mudou a avaliação da aliança militar sobre a ameaça contra seus membros.

"Uma investigação sobre este incidente está em andamento e precisamos aguardar seu resultado. Mas não temos indicação de que isso foi resultado de um ataque deliberado e não temos indicação de que a Rússia esteja preparando ações militares ofensivas contra a Otan", disse ele.

“Nossa análise preliminar sugere que o incidente provavelmente foi causado por um míssil de defesa aérea ucraniano disparado para defender o território ucraniano contra ataques de mísseis de cruzeiro russos.”

Enquanto isso, a Polônia sinalizou que não invocaria o artigo 4 da Otan, que prevê consultas entre aliados diante de uma ameaça à segurança, já que a explosão provavelmente foi causada por um míssil de defesa aérea ucraniano e não pela Rússia.

Stoltenberg saudou o fato de mais membros da aliança terem dito que estavam prontos para fornecer meios de defesa aérea. Ele não anunciou medidas imediatas da Otan, mas disse que um grupo de contato sobre a Ucrânia se reuniria, com foco principal na defesa aérea.

Um porta-voz do Ministério da Defesa da Alemanha afirmou que Berlim ofereceria apoio à defesa aérea polonesa, enquanto o presidente da Lituânia, Gitanas Nauseda, disse que a Otan deveria implantar mais defesas aéreas no flanco leste da aliança.

(Reportagem adicional de John Chalmers, Jan Lopatka, Andrius Sytas, John Irish, Bart Meijer)