Otimistas vivem mais? Descubra os efeitos da postura positiva na vida

Há sim uma diferença entre ver o copo meio cheio ou meio vazio. Pelo menos para a saúde. Um novo estudo feito por pesquisadores da Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard com 160 mil mulheres mostra que níveis mais altos de otimismo foram associados a uma expectativa de vida mais longa e à possibilidade de viver além dos 90 anos em todos os grupos raciais e étnicos.

Sexo na terceira idade: entenda como 31% dessa população se mantém ativa

Vovós influenciadoras: o sucesso dos idosos nas redes sociais

Tem namorada? Por que você não deve fazer essa pergunta a uma criança

“O otimismo pode ser um importante alvo de intervenção para a longevidade em diversos grupos”, segundo Hayami Koga, a principal autora do estudo, publicado na semana passada no Jornal da Sociedade Americana de Geriatria.

As participantes estudadas integram o Women's Health Initiative, que incluiu mulheres na pós-menopausa nos EUA. Delas, as 25% mais otimistas têm uma expectativa de vida 5,4% maior e uma probabilidade 10% maior de viver além dos 90 anos do que as 25% menos otimistas.

Os pesquisadores não encontraram relação entre otimismo e quaisquer categorias de raça e etnia, e essas tendências se mantiveram verdadeiras depois de levar em consideração dados demográficos, condições crônicas e depressão. Isso é importante porque pesquisas anteriores sobre o tema só haviam sido realizadas com pessoas brancas.

Quarta onda de Covid: especialistas esclarecem as novas dúvidas dos brasileiros sobre a alta de casos

Koga disse que os resultados do estudo podem reformular a forma como as pessoas veem as decisões que afetam sua saúde:

“Nós tendemos a nos concentrar nos fatores de risco negativos que afetam nossa saúde. Mas também é importante pensar nos recursos positivos, como o otimismo, que podem ser benéficos para nossa saúde”, afirma em comunicado da universidade.

Como ser otimista

Quem não é optimista por natureza — estudo do King’s College, de Londres, mostra que apenas 25% do otimismo é determinado pela genética — pode tentar adotar a postura.

Entenda a doença: Após críticas por aparência, padre Fábio de Melo revela ter Síndrome de Ménière

Uma das técnicas consiste em escrever todos os dias as experiências positivas que viveu e pelas quais é grato. Especialistas afirmam que exercer a gratidão e substituir os pensamentos negativos por coisas boas funciona para melhorar a visão da vida.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos