"Páscoa pode ser o novo Natal", sugere ministro britânico

Guy Faulconbridge e Kate Holton
·1 minuto de leitura
Disseminação de Covid-19 em Londres

Por Guy Faulconbridge e Kate Holton

LONDRES (Reuters) - O governo do primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, avalia que as pessoas deveriam tomar suas próprias decisões a respeito de comemorações de Natal durante a pandemia de coronavírus, mas algumas podem querer esperar até a Páscoa para se reunirem com as famílias, levando em conta os riscos, disse um ministro britânico nesta quarta-feira.

Depois de impor as restrições mais onerosas ao país em tempos de paz, Johnson está determinado a evitar se tornar o primeiro premiê que cancelou o Natal, embora o país tenha a sexta maior taxa de mortalidade oficial de Covid-19 do planeta.

O governo sofreu pressão para revisar seu plano para amenizar as restrições contra a Covid-19 durante cinco dias perto do Natal na terça-feira, quando duas publicações médicas influentes fizeram um apelo conjunto raro para que a diretriz seja descartada.

O secretário da Habitação britânico, Robert Jenrick, disse que cabe às pessoas decidirem, mas sugeriu que, para algumas, a Páscoa de abril de 2021 poderia ser o novo Natal – especialmente para aqueles que estão em grupos de risco.

"O quanto eles querem reunir membros de sua família mais ampla no Natal ou se acham que nesta ocasião podem ser mais contidos e se reunir na primavera, a Páscoa pode ser o novo Natal para algumas pessoas", disse ele à rede Sky.

Algumas famílias disseram que se reunirão independentemente do que o governo decretar.