S&P rebaixa Americanas para classificação D, que é default

Após a Americanas conseguir uma medida na justiça para suspender por 30 dias a exigibilidade de todas as obrigações dos seus instrumentos de dívida, incluindo pagamentos de juros e principal, a S&P Global Ratings rebaixou os ratings de crédito da companhia em múltiplos degraus, de ‘ B’ na escala global e ‘ brA-’ na Escala Nacional Brasil para ‘D’ (default).

Americanas: instituto pede bloqueio de bens de diretores que venderam ações e prepara arbitragem contra varejista

Lauro Jardim: Advogados do BTG pedem que Justiça do Rio reconsidere decisão favorável à Americanas

O argumento é que, embora a tutela ainda não represente uma recuperação judicial, é um passo inicial rumo a ela. Além disso, a empresa anunciou nesta segunda-feira a contratação da Rothschild & Co. para renegociação de toda a sua dívida.

"Essa tutela cautelar pode ser utilizada em preparação para uma eventual recuperação judicial da dívida. Caso a Americanas não siga esse caminho, a outra possibilidade, em nossa opinião, seria chegar a um acordo com os credores para reestruturar sua dívida, o que consideraríamos um default de fato, dadas as atuais condições de estresse da empresa", afirmou a a S&P Global Ratings em comunicado.

Entenda: O que é o ‘forfait’, a operação que pode explicar o rombo de R$ 20 bi na Americanas

Os ratings de emissão das dívidas senior unsecured da Americanas também foram baixados de ‘ B’ para ‘D’, retirando os ratings de recuperação ‘4’, sob uma expectativa de recuperação menor dessa dívida.