Países da UE preparam sanções contra Belarus por 'tráfico de pessoas'

·2 min de leitura
Migrantes presos na fronteira entre Belarus e a Polônia em 10 de novembro de 2021 na região de Grodno (AFP/Leonid Shcheglov)

Os embaixadores dos países da União Europeia (UE) concordaram nesta quarta-feira (10) em estender as sanções contra Belarus por enviar milhares de migrantes às fronteiras externas do bloco, especialmente com a Polônia, disseram fontes diplomáticas.

A decisão abre caminho para que os chanceleres dos países da UE, que se reunirão na segunda-feira, aprovem a inclusão de novas pessoas e empresas na lista negativa do bloco.

A Polônia, um Estado-membro da UE, atacou Belarus nesta quarta por "terrorismo de Estado", enquanto os temores aumentam sobre a situação de mais de 2 mil migrantes presos na fronteira entre os dois países.

A UE acusa as autoridades bielorrussas de "tráfico de seres humanos" por atrair milhares de migrantes ao seu país e enviá-los em massa para o território europeu, em retaliação às sanções de Bruxelas contra os funcionários de Minsk.

Fontes diplomáticas indicaram que a UE pretende adicionar cerca de 30 pessoas e entidades, incluindo a companhia aérea estatal bielorrussa Belavia e agências de viagens, à sua lista de pessoas sancionadas com o congelamento de bens e a proibição de viajar para o território europeu.

Os especialistas do bloco vão tentar finalizar a lista nos próximos dias, antes do encontro dos chanceleres em Bruxelas, apontaram fontes diplomáticas.

A UE já impôs sanções a 166 pessoas ligadas ao governo bielorrusso, incluindo o presidente Alexander Lukashenko e seu filho, pela repressão de opositores durante os protestos que eclodiram após as eleições presidenciais do ano passado.

A UE tenta agora travar o fluxo de migrantes para Belarus, estabelecendo contatos com vários países, especialmente no Oriente Médio, para os convencer a dissuadir seus cidadãos de tomarem voos para Minsk.

O bloco analisa a possibilidade de sancionar as companhias aéreas de países terceiros que transportam esses migrantes para Belarus, mas um diplomata europeu disse à AFP que ainda "não está claro" se há vontade política para fazê-lo.

O chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell, disse nesta quarta-feira que um enviado de Bruxelas está preparando uma viagem a vários países - incluindo Emirados Árabes Unidos, Líbano, Iraque e Turquia - para pressioná-los a ajudar a prevenir tais viagens.

del/ahg/mb/mr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos