Países do Golfo assinam acordo de 'solidariedade e estabilidade'

·1 minuto de leitura
Imagem fornecida pelo Palácio Real Saudita mostra o secretário-geral Conselho de Cooperação do Golgo Nayef al-Hajraf, n cúpula que levou ao acordo

Os seis países árabes do Golfo assinaram um acordo de "solidariedade e estabilidade", indicou o príncipe herdeiro saudita Mohamed bin Salman nesta terça-feira (5), na abertura da cúpula anual de uma organização regional destinada a encerrar uma disputa de mais de três anos com o Catar.

"Os esforços (do Kuwait e Estados Unidos) nos ajudaram a chegar a um acordo sobre a Declaração de Al-Ula, que será assinado nesta cúpula, na qual afirmamos a solidariedade e a estabilidade no Golfo", destacou.

"Hoje precisamos urgentemente unir nossos esforços para promover nossa região e enfrentar os desafios que nos cercam, especialmente as ameaças semeadas pelo programa de mísseis nucleares e balísticos do governo iraniano e seus planos de sabotagem e destruição", acrescentou.

Os líderes dos seis países do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG) assinaram dois documentos: a Declaração de Al-Ula, que leva o nome do lugar onde acontece a cúpula, no noroeste da Arábia Saudita, e um comunicado final.

Seu conteúdo não foi publicado imediatamente.

A esperança de reconciliação entre o Catar e seus vizinhos foi retomada na segunda-feira, quando a Arábia Saudita reabriu suas fronteiras com o país.

Em junho de 2017, a Arábia Saudita e três países aliados - Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Egito - romperam seus vínculos com Doha, acusando-a de apoiar os grupos islâmicos, de se dar muito bem com seus adversários iranianos e turcos e de criar problemas na região.

O Catar, que sempre negou essas acusações, diz ser vítima de um "bloqueio" e de um ataque contra sua soberania.

burs-gw/sls/mh/elm/pc/age/aa