Países do Pacífico recusam acordo regional de segurança proposto pela China

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O esforço da diplomacia da China para consolidar um amplo acordo de segurança com nações insulares do Pacífico sofreu um revés nesta segunda (30), quando dez países da região não endossaram o modelo de cooperação proposto por Pequim.

O chanceler chinês, Wang Yi, realizou uma viagem de dez dias à região para propor o acordo que, entre outras coisas, previa aumentar a presença chinesa na segurança local --algo semelhante ao que foi firmado com as Ilhas Salomão-- e esboçar uma área de livre comércio.

Durante a reunião final com seus homólogos regionais, no entanto, nenhum acordo do tipo foi costurado. Algumas nações queriam que alterações fossem feitas no documento e que a decisão fosse adiada, disse uma autoridade de um dos países à agência de notícias Reuters.

Antes, já havia dissidência dos Estados Federados da Micronésia que, em carta, disseram que o acordo proposto por Pequim era uma "falácia" destinada a "garantir a influência chinesa no governo e no controle econômico das principais indústrias regionais".

A diplomacia chinesa, antes mesmo da reunião, afirmava que o encontro não produziria, necessariamente, documentos finais. Após o encontro, o Ministério das Relações Exteriores disse que divulgará em breve um posicionamento oficial e que continuará as tratativas diplomáticas para "formar maior consenso sobre a cooperação".

O premiê de Fiji, Frank Bainimarama, disse a repórteres que as nações do Pacífico estavam priorizando o consenso. "A geopolítica significa pouco para cidadãos cuja comunidade está afundando no mar e o emprego foi perdido durante a pandemia", afirmou, referindo-se à emergência climática e às consequências da crise sanitária.

Já o chanceler Wang pediu que as nações insulares "não fiquem aflitas nem nervosas" com as tratativas. "O desenvolvimento comum e a prosperidade da China e dos países em desenvolvivmento significariam apenas a grande harmonia e o progresso de todo o mundo", afirmou. Questionado sobre o interesse chinês na região, afirmou que Pequim também apoiou países emergentes na África, na Ásia e no Caribe.

O embaixador chinês em Fiji, Qian Bo, por suas vez, alegou que todos os participantes haviam chegado a um apoio geral e que vão manter relações diplomáticas, mas que seria preciso sanar preocupações relacionadas a questões específicas-- sem detalhá-las. O esboço do acordo, disse ele, segue em discussão.

O premiê de Niue, ilha de 261 km² a leste de Fiji, Dalton Tagelagi, afirmou que os países precisam de tempo para avaliar como a maior cooperação com Pequim vai apoiar os planos regionais e garantir que as prioridades locais estejam alinhadas e sejam benéficas para todos.

O líder do regime chinês, Xi Jinping, também enviou uma mensagem aos ministros presentes na reunião. Ele afirmou que a China seria um "bom amigo e um bom irmão" para a região e que, juntos, eles compartilham um "destino comum" "A China sempre insistiu na igualdade de todos os países, grandes e pequenos, e desenvolveu relações amistosas com as ilhas do Pacífico", disse Xi.

O principal enfoque do pacto proposto por Pequim estava na área de segurança. O documento, ao qual veículos como Reuters e The Guardian tiveram acesso, propunha expandir a cooperação China-Pacífico na área policial e no combate ao crime transnacional. Também sugeria que Pequim treinasse agentes dessas nações, além de ajudar no aprimoramento de técnicas como autópsia forense.

Parcerias nas áreas de cibersegurança, governança de dados, infraestrutura, energia e pesca também são mencionadas. O pacto sugere ainda a criação de uma área de livre comércio com as nações.

Países do Ocidente, em especial os Estados Unidos, opõe-se à influência chinesa na região. O Departamento de Estado americano chegou a dizer para países do Pacífico Sul que desconfiassem do que chamou de "acordos obscuros e vagos, com pouca transparência".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos