Países pedem garantias ao Facebook sobre sua moeda virtual

Logo da rede social Facebook.

Agências que regulamentam a questão da privacidade de todo o mundo pediram, nesta terça-feira, ao Facebook garantias de que a rede social protegerá os dados financeiros de seus usuários quando passar a utilizar a Libra, sua moeda virtual.

Representantes da Austrália, Estados Unidos, União Europeia, Grã-Bretanha e Canadá, entre outros países, publicaram uma carta aberta na qual pedem ao Facebook respostas sobre como administrará os dados pessoais dos usuários de sua futura moeda virtual.

A carta foi publicada após outras advertências similares, como a do mês passado durante a reunião de ministros das Finanças e de bancos centrais dos países do G7, grupo que reúne as principais economias do mundo.

Os reguladores indicaram que o Facebook e sua filial Calibra "fracassaram em abordar as práticas de gestão de informação que devem aplicar para assegurar e proteger as informações pessoais".

A gestão dos dados dos usuários por parte do Facebook "não cumpriu as expectativas dos reguladores ou de seus próprios usuário", indica o texto.

De acordo com os reguladores, "a combinação de grandes reservas de informações pessoas com informações financeiras e uma moeda virtual amplificam nossas preocupações".

O Facebook anunciou em junho o lançamento da Libra, previsto para 2020, e da empresa Calibra, que administrará a moeda virtual usando a tecnologia blockchain.