Pacheco cobra ação coordenada de Bolsonaro, ministério, esferas e Poderes

Maria Carolina Marcello
·1 minuto de leitura
Brazil's new Senate President Rodrigo Pacheco speaks with journalists during a news conference at the National Congress in Brasilia

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), cobrou nesta quinta-feira que o presidente Jair Bolsonaro, o Ministério da Saúde, outros Poderes, prefeitos e governadores se coordenem e passem a atuar diante da crise do coronavírus.

A declaração mais incisiva do presidente do Senado, em uma publicação no Twitter, ocorre em meio a cobranças de senadores, preocupados com a escalada da crise em seus Estados.

"Sentar à mesa, planejar e AGIR, o mais rapidamente possível. Isso é fundamental! A situação crítica do Brasil exige a coordenação do presidente da República, ações do Ministério da Saúde e toda colaboração dos demais Poderes, governadores, prefeitos e instituições", tuitou Pacheco.

Cresce, entre parlamentares, a insatisfação com a gestão da crise. Pressão de grupo que sustenta o governo no Congresso, o centrão, teve peso na decisão de se trocar o comando da pasta da Saúde. Mas o médico cardiologista Marcelo Queiroga, nome escolhido para o lugar de Eduardo Pazuello, não conta com o apoio do grupo.

E ainda que tenham feito circular a mensagem segundo a qual Bolsonaro não era obrigado a acatar todas as sugestões do grupo político, a escolha criou mal estar e gerou sinais de que os parlamentares não terão paciência com o novo ministro.

Outro ponto que ainda gera apreensão entre os parlamentares diz respeito à medida provisória que irá determinar o pagamento do auxílio emergencial.

O governo havia sinalizado que editaria a MP assim que o Congresso aprovasse a chamada PEC Emergencial. A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) já foi inclusive promulgada, na segunda-feira, mas ainda não há medida provisória.