Pacheco pede pacificação de ânimos e que tom eleitoral seja baseado em verdades

*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  15-07-2021, 12h00: O presidente do senado federal senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG) durante entrevista à Folha na residência oficial do senado. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 15-07-2021, 12h00: O presidente do senado federal senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG) durante entrevista à Folha na residência oficial do senado. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Em meio a uma nova onda de ataques de Jair Bolsonaro (PL), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), saiu nesta quarta-feira (3) em defesa das urnas eletrônicas e disse que dará posse em 1º de janeiro ao chefe do Executivo que será eleito por intermédio delas.

Pacheco também também pediu "pacificação dos ânimos" durante o período eleitoral e que o tom eleitoral seja "sério, baseado em verdades e boas propostas". Acrescentou que a legitimidade do vencedor do pleito deve ser reconhecida assim que for proclamado o resultado das urnas.

"Nesse momento em que enaltecemos a democracia no Brasil, que afirmamos a confiança na Justiça Eleitoral, do Poder Judiciário, que não terá representantes para disputar as eleições, diferentemente do Legislativo e do Executivo. É Poder Judiciário que incube cuidar das eleições através de um sistema eleitoral baseado nas urnas eletrônicas, de confiabilidade já apurada", afirmou durante pronunciamento na abertura da sessão do Senado.

"[Damos] a garantia à democracia brasileira, à sociedade brasileira, que no dia 1º de janeiro de 2023 aqui estaremos no Congresso Nacional a dar posse ao presidente da República eleito pelas urnas eletrônicas do nosso país, seja qual for o eleito. É essa a afirmação da democracia e é isso que é a expressão da vontade soberana do Congresso Nacional", completou.

O presidente do Senado afirmou que as urnas são motivo de "orgulho nacional" e que ele tem plena confiança no sistema eleitoral brasileiro.

O senador mineiro, no entanto, afirmou que as eleições se mostram um "momento desafiador da história nacional" e por isso pediu aos cidadãos e, em particular aos agentes públicos, apaziguamento.

"Reitero o apelo de pacificação e de contenção de ânimos, e dirijo-o especialmente aos agentes do Estado e aos candidatos nas eleições que se aproximam. O que faz uma nação é um conjunto de valores e ideias que nos unem. Voltemos, portanto, a discutir ideias", afirmou.

"Que nossos esforços sejam direcionados para buscar soluções que tragam prosperidade para o país. Que o debate político tenha o escopo de garantir dignidade para a nossa população. Que o tom eleitoral seja sério, baseado em verdades e boas propostas", completou.

A fala de Pacheco acontece um dia após Bolsonaro ter atacado ministros do Supremo Tribunal Federal e novamente, sem fundamentos, ter levantado dúvidas sobre o sistema eleitoral brasileiro, em particular as urnas eletrônicas.

Em entrevista a uma rádio, na terça-feira (2), o presidente da República afirmou que o presidente do STF Luiz Fux deveria ser investigado pois divulgou fake news ao defender o sistema de urnas eletrônicas.

Na primeira sessão do Supremo após o recesso de julho, na segunda-feira (1º), Fux disse que a democracia brasileira "conta com um dos sistemas eleitorais mais eficientes, confiáveis e modernos de todo o mundo", declaração contestada por Bolsonaro.

Durante a mesma entrevista, o presidente novamente divulgou informações falsas sobre o sistema de urnas eletrônicas, pelo qual se elegeu durante toda a sua carreira pública. Menosprezou a quantidade de países que utilizam as urnas, indicando que se tratavam apenas de países em desenvolvimento, citando o Butão e Bangladesh.

De acordo com uma nota do TSE no ano passado, esses equipamentos são utilizados em outros países, como em parte da França e dos Estados Unidos.

O chefe do Executivo lançou nas últimas semanas uma nova onda de ataques contra as urnas eletrônicas, a três meses das eleições. A última pesquisa Datafolha, divulgada na semana passada, mostrou um cenário de estabilidade, com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) liderando a corrida, com 18 pontos de vantagem sobre Jair Bolsonaro.

Há duas semanas, o presidente também realizou uma apresentação a dezenas de embaixadores estrangeiros no Palácio do Alvorada, na qual repetiu teorias da conspiração sobre urnas eletrônicas, desacreditar o sistema eleitoral, promover novas ameaças golpistas e atacar ministros do Supremo.

O chefe do Executivo concentrou na ocasião suas críticas nos ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin e Luís Roberto Barroso.

Fachin é o atual presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Barroso presidiu a corte eleitoral, e Moraes deve comandar o tribunal durante as eleições.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos