Pacheco quer pautar em fevereiro no Senado projeto sobre ICMS dos combustíveis

·2 min de leitura
EU's foreign policy chief Borrell meets President of Brazil's Senate Pacheco, in Brasilia

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - Em meio à discussão de autoridades sobre o alto custo da gasolina e do diesel no país, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), afirmou nesta segunda-feira que pretende pautar no início do próximo mês um projeto que tornaria fixo por um ano o ICMS que incide sobre os combustíveis.

"Submeterei à avaliação do colégio de líderes no início de fevereiro. A intenção é pautar. O senador Jean Paul Prates será o relator e está se dedicando muito ao tema", disse ele à Reuters, por mensagem de texto.

Na semana passada, governadores anunciaram que, a partir do próximo mês, vão descongelar o ICMS incidente sobre o insumo. Ele chegou a ser congelado por 90 dias como forma de contrapor ao projeto aprovado na Câmara e que agora está no Senado.

Estados alegam que a proposta, se for aprovada, poderia levar a uma perda de arrecadação da ordem de 24 bilhões de reais.

O presidente Jair Bolsonaro tem dito que o ICMS é o vilão do alto preço dos combustíveis e tem cobrado mudanças na sua forma de tributação.

O ICMS é um dos fatores que compõem o preço dos combustíveis, que são reajustados pela Petrotras com base na variação do câmbio e dos preços internacionais do petróleo.

No domingo pelo Twitter, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), criticou governadores por acusarem o Congresso e o Executivo de fazerem uma "cortina de fumaça" e defendeu a votação da proposta sobre o ICMS.

"Há um projeto na mesa e se eles discordam, tem força política para sentar na mesa e discutir alternativas. Mas já é 2022 e tem gente que só pensa em outubro", disse Lira pela rede social.

O senador Jean Paul Prates (PT-RN). , que é líder da minoria na Casa e vai relatar o projeto, afirmou que no mínimo é um "equívoco" de Lira querer atribuir ao Senado a responsabilidade pelo preço dos combustíveis.

"É o Senado que está trabalhando em uma solução completa para pôr fim a essa escalada que tanto penaliza os brasileiros", disse ele.

"Não é razoável pensar em uma solução impositiva, sem o devido diálogo. Devemos evitar o cultivo desarrazoado de animosidades. Esperamos que o Poder Executivo não se omita, e faça seu papel, atuando como gestores, sem transferência de culpa e terceirização de responsabilidades", acrescentou o senador, em nota.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos