Pacientes bem recebidos e protocolos marcam os melhores hospitais públicos do país

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Gestores de hospitais públicos que atendem 100% pelo SUS, elencados como os melhores em ranking nacional divulgado no início de novembro, apontam como fatores preponderantes para um bom desempenho a busca pelo serviço mais humanizado e a manutenção de selos de acreditação, que atestam o gerenciamento das unidades.

Para Maurício Perroud, superintendente do Hospital Estadual de Sumaré, do interior de São Paulo, o líder do ranking, que foi elaborado pelo Ibross (Instituto Brasileiro das Organizações Sociais de Saúde), a primeira impressão tem um peso significativo para o paciente, e isso é trabalhado dentro da unidade.

"Habitualmente fala-se muito mal da saúde pública, mas quando o paciente chega ao hospital público e é bem recebido por alguém sorrindo, o local está limpo, conservado, com equipamentos adequados, isso dá um impacto positivo", diz.

O Hospital de Sumaré é administrado pela Unicamp e conta com cerca de 1.300 funcionários. O atendimento é de urgência referenciada, o paciente é atendido em outra unidade de menor complexidade e encaminhado para lá.

No ambulatório, onde entram os casos cirúrgicos eletivos, são em média 5.000 consultas por mês, sendo 700 de novos pacientes. São, em média, mil internações por mês e 180 partos.

"Cerca de 45% dos nossos médicos têm mais de 14 anos de casa. Isso traz estabilidade de processo, as pessoas que conhecem como o hospital funciona permanecem", diz Perroud.

O superintendente também destaca como ponto positivo a unidade funcionar como um hospital-escola, recebendo médicos formados pela Unicamp. "A gente consegue treinar aqueles que estão chegando, capacitá-los ao longo do tempo. Isso mantém a cultura do hospital."

Em segundo lugar no ranking ficaram empatados o Hospital Geral Dr. Waldemar Alcântara, de Fortaleza, e o Hospital Geral de Itapecerica da Serra, da Grande São Paulo. Ambos são administrados por OSSs (Organização Social de Saúde).

"As acreditações nos ajudam muito no sentido de melhorar o processo de atendimento e até coisas básicas na admissão do paciente. No DNA do hospital sempre teve a preocupação de tratar bem o paciente, com qualidade e segurança", diz Denys Briand, diretor-geral do hospital cearense.

O Hospital de Fortaleza é administrado pelo ISGH (Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar). Conta com 1.200 funcionários e tem capacidade para 323 internações, sendo 53 em UTI. De acordo com Briand, a pandemia foi um grande aprendizado dentro da unidade.

"Reforçou no nosso hospital a questão de trabalhar com protocolo. De atendimento, de intubação, no uso de antibióticos, na transferência para UTI. Tivemos médicos de apoio junto aos médicos que estavam trabalhando", diz Briand.

"Foi um momento dramático, mas isso amadureceu o senso de humanização da gente. Aperfeiçoou ferramentas que a gente ainda estava engatinhando, como as mídias digitais, o contato dos pacientes com familiares pela internet. Foram coisas que avançamos muito", completa o diretor.

O ranking foi criado pelo Ibross em parceria com a Opas (Organização Pan-Americana da Saúde), o Instituto Ética Saúde e ONA (Organização Nacional de Acreditação). Foram avaliados 136 hospitais públicos e 40 deles foram destacados para o ranking, sendo 16 do estado de São Paulo.

Além da avaliação dos usuários, que foi feita por meio de notas na plataforma Google Business, a organização também levou em conta o tempo de certificação da instituição e o cálculo de eficiência, este feito em parceria com a UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais).

Segundo Renilson Rehem, secretário-geral do Ibross, um novo ranking será realizado a cada dois anos. Ele entende que a iniciativa possibilita mostrar uma outra imagem do serviço público de saúde.

"Não estamos falando de hospitais luxuosos, cinco estrelas. Estamos falando de hospitais que funcionam bem, que têm qualidade, que garanta a segurança do paciente", diz.

Gonzalo Vecina Neto, médico sanitarista e professor da Faculdade de Saúde Pública da USP, entende que um ranking de avaliação traz um elemento importante na discussão sobre os serviços públicos de saúde.

"Estamos discutindo muito essa questão de privatização. Se pega um hospital estatal e dá para a iniciativa privada gerenciar, ele continua sendo estatal, mas será gerenciado por uma empresa privada. A sociedade tem que ter condição de avaliar se isso é positivo ou negativo", diz Vecina.

"Se a instituição gerenciadora desses hospitais for uma boa instituição, comprometida e tiver transparência, ela vai conseguir fazer um serviço que entregará aquilo que a sociedade espera que ela entregue. Por outro lado, se for uma instituição que está lá para ganhar dinheiro, ela vai fazer uma porcaria e eventualmente poderá desviar dinheiro público da saúde."

Os 40 hospitais do ranking

1. Hospital Estadual Sumaré Dr. Leandro Franceschini - Sumaré (SP)

2. Hospital Geral de Itapecerica da Serra - Itapecerica da Serra (SP)

Hospital Geral Dr. Waldemar Alcantara - Fortaleza

3. Hospital Estadual de Diadema - Diadema (SP)

4. Hospital de Clínicas de Porto Alegre - Porto Alegre

Instituto do Câncer - São Paulo

5. Hospital do Subúrbio - Salvador

6. Hospital Estadual Vila Alpina - São Paulo

Hospital de Transplantes Dr. Euryclides de Jesus Zerbini São Paulo

Hospital Infantil Dr. Jeser Amarante Faria Joinville (SC)

7. Hospital Estadual Mário Covas - Santo André (SP)

8. Hospital Geral de Pirajussara - Taboão da Serra (SP)

9. Hospital Regional de Jundiaí - Jundiaí (SP)

Hospital Regional de São José dos Campos São José dos Campos (SP)

Hospital Regional do Sertão Central Quixeramobim (CE)

Hospital Regional Norte - Sobral (CE)

10. Hospital Geral de Caxias do Sul - Caxias do Sul (RS)

11. Hospital da Criança de Brasília José Alencar - Brasília

Hospital Municipal Dr. Moysés Deutsch - São Paulo

Hospital Regional de Cotia - Cotia (SP)

Hospital Regional do Baixo Amazonas do Pará - Santarém (PA)

12. Hospital Municipal Universitário São Bernardo - São Bernardo do Campo (SP)

13. Hospital Municipal Gilson de Cassia Marques de Carvalho - São Paulo

14. Centro Estadual de Reab. e Readap. Dr. Henrique Santillo - Goiânia

Hospital Municipal Infantil Menino Jesus - São Paulo

Hospital Regional do Cariri - Juazeiro do Norte (CE)

Santa Casa de Misericórdia do Pará - Belém

15. Hospital Regional de Sorocaba Dr. Adib Domingos Jatene - Sorocaba (SP)

16. Hospital Estadual Dr. Jayme Santos Neves - Serra (ES)

17. Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo - Belém

18. Hospital Geral de Itapevi Itapevi (SP)

19. Hospital de Clínicas Municipal de São Bernardo do Campo - São Bernardo do Campo (SP)

20. Hospital Municipal Cidade Tiradentes - São Paulo

21. Hospital das Clínicas Luiza de Pinho Melo - Mogi das Cruzes (SP)

22. Hospital Estadual Sapopemba - São Paulo

Hospital Geral do Grajaú - São Paulo

Hospital Municipal de Araguaína - Araguaína (TO)

23 . Hospital Estadual de Urg. Gov. Otávio Lage de Siqueira - Goiânia

24. Hospital Alberto Rassi - Goiânia

25. Hospital e Maternidade Dr. Odelmo Leão Carneiro - Uberlândia (MG)

Fonte: Ibross (Instituto Brasileiro das Organizações Sociais de Saúde )