Padrão? Tô fora! Ex-BBB Ariadna Arantes tem um recado para Boninho

Que estamos todos cansados de padrões estéticos não é novidade. É óbvio que não seria diferente dentro da casa mais vigiada do Brasil, o "Big Brother". A edição de 2023 já começou com a Casa de Vidro e o Yahoo conversou com uma das ex-sisters mais inesquecíveis do reality, Ariadne Arantes.

Ariadna foi a primeira pessoa transgênero a participar do programa e abriu portas para diversas outras pessoas da comunidade LGBTQIA+. A carioca esteve na edição de 2011 e, apesar de passar pouco tempo, deixou seu legado: "A mulher trans, o homem trans, a pessoa preta, a pessoa gorda, a Pessoa com Deficiência (PCD), fazem parte da sociedade diariamente", alerta.

Ela defende que o programa trabalhe com mais diversidade. Vale lembrar que a edição do ano passado contou com a multiartista travesti Linn da Quebrada, que também fez história. Recado para Boninho? Temos: "Por que não ter toda edição uma travesti, mais pessoas pretas?", indaga Ariadna.

Ainda de acordo com a ex-participante, é visível que o reality opta por um perfil específico: branco, loiro, magro, dentro do "padrão" imposto de forma opressora.

"A nossa sociedade não é feita de pessoas perfeitas o tempo todo e nós sabemos muito bem disso", conclui.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Para quem vai a torcida na Casa de Vidro?

Ariadna já tem sua preferência e foi incisiva ao descartar o modelo Gabriel Tavares, ex-affair de Anitta.

"Estou torcendo para que a gay ruiva maravilhosa entre (Manoel), bem divertida e tudo. Provavelmente, padrão como (o Gabriel), já está lá dentro confinado para entrar e não só como pipoca, mas também como camarote".

Sobre sua análise do "Big Brother Brasil", a influenciadora pondera que homens que têm perfis parecidos com o de Gabriel estão com vaga garantida no programa: "Sempre tem o Fabião, o crossfiteirão, o Miss Whey", brinca.

Foi dada a largada!

A Casa de Vidro do "BBB23" estreou antes mesmo do programa comandado por Tadeu Schmidt.

Quatro participantes estão confinados em um shopping no Rio de Janeiro e disputam por duas vagas na casa mais vigiada do Brasil. Irá entrar um homem e uma mulher.

Ana Clara apresentou Giovanna Leão, de 25 anos, de Campinas, interior de São Paulo, o psiquiatra Manoel Vicente, de Cuiabá, no Mato Grosso, Paula de Freitas, de Jacundá, no Pará, e Gabriel, de Ribeirão Preto, em São Paulo.