Padrasto é preso por estuprar menina de 11 anos; ele dizia que a enteada seria expulsa de casa se revelasse abusos

Um homem foi preso nesta quinta-feira, no bairro Maria Paula, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, sob a acusação de ter estuprado a própria enteada, de apenas 11 anos. Dias antes, a mãe da vítima procurou a 75ª DP (Rio do Ouro), onde relatou os abusos. Com base em um levantamento do setor de inteligência, a delegacia conseguiu localizar o suspeito.

Triste rotina: Estado registra um estupro de criança a cada quatro horas; padrastos e pais são os agressores mais frequentes

Não ia à escola há dois anos: Menina de 11 anos estuprada por padrasto não sabe ler nem escrever, diz delegada

Ao acionar a polícia, a companheira do preso contou que vinha estranhando o comportamento da filha, que, após alguma insistência, acabou revelando os ataques cometidos pelo padrasto. Na casa, moravam ainda outros dois filhos do casal, mas a menina era fruto de um relacionamento anterior da mulher.

A partir do exame de corpo de delito e do depoimento da vítima, que foi ouvida com o apoio de psicólogos do Conselho Tutelar, os sucessivos estupros, ocorridos pelo menos desde o ano passado, ficaram confirmados. A menina revelou que o padrasto a forçava a fazer sexo oral todas as vezes em que os dois ficavam a sós.

Engravidou após abuso: Menina estuprada por padrasto e bebê serão encaminhados para abrigos, determina Vara da Infância

Além disso, em algumas das agressões o homem também passava o pênis na vagina ou no ânus da criança. Ele chegava até mesmo a forçar a penetração, o que ficou comprovado pela análise dos peritos.

Para que a vítima não revelasse a rotina de abusos, o padrasto dizia que a mãe e o pai biológico brigariam se soubessem, e que a menina acabaria sendo colocada para fora de casa. Depois da insistência da mãe, ela só aceitou contar o que vinha acontecendo ao ouvir uma promessa de que não seria expulsa.

Estupro de paciente: ‘Minha primeira reação foi um choque total’, diz delegada que prendeu anestesista na Baixada

Em posse dessas informações, o delegado Jorge Maranhão, titular da 75ª DP, pediu a prisão do agressor à Justiça, que, por intermédio da Vara de Violência Doméstica de São Gonçalo, decretou a medida. Após os procedimentos de praxe, o homem foi encaminhado para o sistema prisional fluminense.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos