Padre é suspenso da Igreja ao ser preso por roubo no Rio Grande do Sul

Louise Queiroga
·1 minuto de leitura

Apesar do mandamento "não roubarás", conforme consta nas escrituras bíblicas, um padre foi preso, nesta terça-feira, dia 2, justamente por suspeita deste ato, que também configura crime na legislação.

Enquanto os trâmites correm na Polícia Civil do Rio Grande do Sul envolvendo o sacerdote Elizeu Moreira, um procedimento investigativo também será instaurado pela Arquidiocese de Passo Fundo, conforme informou o arcebispo Dom Rodolfo Luis Weber nesta quarta-feira, dia 3.

O pronunciamento da instituição religiosa foi realizado através de um vídeo postado em rede social. Dom Rodolfo afirmou que o suspeito terá seu devido direito à defesa tanto no processo legal, quanto na própria apuração interna a ser realizada pela Igreja Católica, que colaborará com os agentes públicos.

O arcebispo classificou o episódio como um "fato que choca, que chama atenção, que provoca".

"Portanto, todos nós nos sentimos muito tristes, muito pensativos sobre esse acontecimento", acrescentou.

"Como padre da Arquidiocese, ele exerce uma tarefa pública em nome da Igreja de Tapejara, então a partir desse momento ele vai ser suspenso ad cautelam, como se chama isso, enquanto se vai procurando discernir de fato o que aconteceu", anunciou o religioso.

"Assim como na esfera civil, na esfera da Igreja, toda pessoa acusada de qualquer delito tem direito também à defesa. Portanto, vamos passar por um processo de discernimento. Como Arquidiocese de Passo Fundo, vamos colaborar com todas as autoridades para que os fatos sejam esclarecidos. Mas também vamos dar todo o atendimento necessário que o padre Elizeu nesse momento que ele vive, com os subsídios, as ajudas necessárias para que ele também possa responder aos atos realizados com dignidade neste momento".