Padre Julio Lancellotti ganha prêmio Zilda Arns de Direitos Humanos

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 17.09.2020 - O padre Júlio Lancellotti, vigário episcopal do povo de rua e o responsável pela pastoral da Igreja Católica. (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 17.09.2020 - O padre Júlio Lancellotti, vigário episcopal do povo de rua e o responsável pela pastoral da Igreja Católica. (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O padre Julio Lancelloti, 72, foi um dos vencedores do prêmio Zilda Arns pela Defesa e Promoção dos Direitos da Pessoa Idosa concedido pela Câmara dos Deputados.

Lancelloti coordena a Pastoral do Povo da Rua de São Paulo. Ele é conhecido por promover ações para melhorar a qualidade de vida dos desabrigados. Entre as ações realizadas pelo padre está a distribuição de comida para a população da cracolândia, no centro da capital.

"Recebo essa homenagem com muita simplicidade e humildade, em nome dos moradores de rua. Estou muito feliz e compartilho essa alegria de estar com os outros premiados", disse à reportagem.

Recentemente, a deputada estadual Janaína Pascohal (PSL-SP) criticou as doações feitas por Lancelloti na região e disse que elas incentivam a criminalidade. O comentário foi feito nas redes sociais e resultou em uma série de apoios ao religioso.

Um seguidor respondeu à publicação de Paschoal com uma postagem do padre que mostrava formas de doar para a paróquia. A partir desse momento, diversas pessoas começaram a enviar dinheiro. Os valores variam, mas chegaram a ultrapassar R$ 1.000.

Mesmo durante a pandemia, o padre manteve os projetos sociais e continuou a distribuir alimentos para a população mais vulnerável. No início do ano, ele esteve em viaduto na zona leste de São Paulo para derrubar com uma marreta pedras que foram colocadas pela prefeitura como medida para evitar moradores de rua.

A indicação de Lancelloti ao prêmio foi feita pelo deputado Alexandre Padilha (PT-SP). A solenidade de premiação está prevista para ser realizada de forma online na semana de 1º de outubro, quando se comemoram o Dia Nacional e Internacional da Pessoa Idosa e a publicação da Estatuto do Idoso.

Criado em setembro de 2017, o Prêmio Zilda Arns homenageia a médica que atuou em causas humanitárias e sanitaristas. Conselheira no Conselho Nacional de Saúde, Zilda Arns trabalhou também no Ministério da Saúde.

Neste ano, ele também será concedido à entidade Obras Sociais Irmã Dulce (BA), à Sociedade Cultural e Beneficente Monsenhor Alonso (ES), à médica Karla Giacomin e à assistente social Lidiane Charbel, ambas de Minas Gerais.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos