Ех-padre pega 30 anos de prisão por abuso infantil na Espanha

MADRI (Reuters) - A Suprema Corte da Espanha condenou nesta terça-feira um ex-padre a 30 anos de prisão por abusar de sete menores em um internato católico há quase uma década, quando trabalhava como tutor.

Alegações de abuso infantil por parte do clero católico e possíveis encobrimentos da Igreja surgiram nos últimos meses na Espanha, anos depois que escândalos semelhantes abalaram a Igreja em outros países como Estados Unidos, Irlanda e França.

Autoridades da Igreja não estavam imediatamente disponíveis para comentar. O ex-padre havia negado irregularidades no passado.

A autoridade religiosa da província central de Ciudad Real destituiu o padre em 2019 e denunciou o caso aos promotores após uma investigação interna sobre abusos cometidos quando ele ensinava estudantes adolescentes do sexo masculino.

Em sua decisão, o tribunal disse que ele se aproveitou de sua posição para tocar inapropriadamente os genitais dos meninos, por exemplo, enquanto fingia estar brincando em uma piscina ou em quartos particulares sob o pretexto de "tratamento" médico.

O tribunal decidiu que o toque era "de caráter claramente sexual". Também condenou o homem a pagar uma multa de 52.920 euros e uma indenização de 2.000 euros a cada uma das vítimas.

(Reportagem de Emma Pinedo)