Padre perseguiu suspeito de furtar igreja por 1,4 km antes de atropelá-lo

Padre perseguiu a vítima por pelo menos 1,4 quilômetro antes de atropelá-lo, segundo a análise das novas imagens de câmeras de segurança. (Foto: Reprodução)
Padre perseguiu a vítima por pelo menos 1,4 quilômetro antes de atropelá-lo, segundo a análise das novas imagens de câmeras de segurança. (Foto: Reprodução)

Padre investigado por atropelar um homem suspeito de furtar a igreja de São Sebastião perseguiu a vítima por pelo menos 1,4 quilômetro, segundo a análise das novas imagens de câmeras de segurança.

O atropelamento aconteceu na noite de sábado (7), na avenida Tiradentes, na cidade de Santa Cruz do Rio Pardo, no interior de São Paulo.

A conclusão da polícia levou em consideração a distância mínima possível a ser percorrida no trajeto entre a igreja e o local onde aconteceu o atropelamento. As informações são do G1.

Frei Gustavo Trindade dos Santos, de 37 anos, apontado como o motorista que atropelou Ângelo Marcos dos Santos Nogueira, de 40 anos, foge sem prestar socorro após a perseguição que durou cerca de quatro minutos.

O frei afirmou estar arrependido e pediu orações pela recuperação da vítima, internada na UTI da Santa Casa da cidade.

"A Ordem dos Frades Pregadores (Dominicanos) e a Diocese de Ourinhos lamentam o incidente", diz nota divulgada pela diocese. O frei era pároco da Paróquia São Sebastião, em Santa Cruz do Rio Pardo, e foi afastado da função.

O carro usado no atropelamento, que pertence à diocese de Ourinhos (SP), foi encontrado pela polícia no estacionamento do Colégio Dominicano, que fica nas dependências do Santuário Nossa Senhora de Fátima, e vai ser encaminhado para perícia.

O veículo apresentava a parte da frente e as laterais danificadas. Três advogados que representam o frei procuraram a polícia ainda na segunda-feira (9), mas não deram informações sobre a sua localização, apenas onde o veículo se encontrava.

A diocese informou em nota que o frei Gustavo "foi afastado de suas funções religiosas e se encontra disponível para livremente cooperar com a Justiça".

O caso é investigado como tentativa de homicídio e omissão de socorro, uma vez que o padre fugiu do local sem socorrer a vítima.

A polícia também apura o furto na secretaria paroquial. Por esse crime, Ângelo foi preso em flagrante e deve passar por audiência de custódia quando receber alta do hospital. A polícia ainda investiga se ele foi o autor de outro furto no mesmo local registrado um dia antes.

A Justiça negou o pedido de prisão preventiva feito pela Polícia Civil contra o padre investigado, na terça-feira (10). O Ministério Público havia recomendado o indeferimento do pedido no mesmo dia.

No entanto, o juiz Pedro de Castro e Sousa concedeu a quebra de sigilo dos dados telefônicos, considerando que, até o momento, o investigado não se apresentou para ser ouvido.

A decisão da Justiça determina que as empresas de telefonia forneçam os históricos de chamadas telefônicas, com todas as ligações e mensagens, efetuadas e recebidas, entre 7 de maio de 2022 e 9 de maio do mesmo ano.