De padre a turista: conheça quem está indo do Brasil para a Europa em meio à epidemia

Ana Letícia Leão e Célia Costa
·6 minuto de leitura

SÃO PAULO E RIO — "A minha família brasileira tem muito medo, mas fazer o quê? Nós temos que trabalhar, pagar as contas. Temos nossos afazeres, não temos como não voltar".

Foi com esse pensamento que a brasileira Lucelena Costa, de 52 anos, natural de Campo Grande (MS), mas moradora da província de Schiavi di Abruzzo, na Itália, deixou o Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, na tarde desta terça-feira, rumo à Roma.

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

Após quatro meses no Brasil, ela e o marido italiano, Troiano Enrico, de 65 anos, decidiram retornar à Itália, epicentro do coronavírus na Europa, com mais de 10 mil infectados e 631 mortos, até a tarde de terça.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Apesar da curva crescente no número de casos, a brasileira se diz "tranquila", já que a família do marido, que também mora na Itália, disse que a situação está sob controle.— Estou doida para voltar para casa porque a família nos passou tranquilidade. Um pouco é exagero. Em Roma, cidade mais próxima de onde eu moro, não está assim.Por causa da quarentena, explica, a empresa do marido foi fechada nesta semana e só poderá ser reaberta em 3 de abril, segundo orientações do governo italiano.

Leia também:

Até lá, ficarão na casa de campo em que moram, no povoado de Schiavi di Abruzzo, a 220 km de Roma.Com um doutorado em metafísica e filosofia em Roma programado há quase um ano, o padre Wilson Lazarotto, de 38 anos, deixou o aeroporto de Guarulhos com destino à capital italiana, onde deve passar os próximos dois anos.

Professor do seminário Maria Mater Ecclesiae, em Itapecerica da Serra (SP), o religioso diz não estar preocupado com foco da doença na Itália.

— O que a gente pode fazer, a gente faz, mas, mais do que isso? Qualquer um pode morrer a qualquer momento. Temos apenas que seguir as precauções — afirma.

Viagem dos sonhos

O alerta mundial de coronavírus também não foi suficiente para fazer com que o casal Rayane Melo, de 29 anos, e Everton Cristian, de 37, desistissem da viagem dos sonhos a Paris.Moradores de Suzano, na Grande São Paulo, eles vão passar os próximos seis dias na capital da França, o segundo país com mais casos confirmados da doença dentro da União Europeia, com mais de 1.120 registros e 15 mortes.— Ficamos meio preocupados, mas não pensamos em desistir. É um sonho que estamos realizando, e proteção é o que nos cabe — diz Rayane, referindo-se ao uso de máscaras e álcool em gel que fará durante os dias fora do Brasil.Segundo ela, o voo de volta ao Brasil estava previsto para fazer uma escala de um dia inteiro em Roma, mas a companhia aérea acabou cancelando o tempo de permancência em função do vírus.— Até achei que foi bom. Acabaram diminuindo o tempo, e só ficaremos uma hora dentro do aeroporto de Roma para não irmos para a rua — explica.

De partida definitiva para a Europa, a professora Thaís Moraes, de 33 anos, agilizou os preparativos da mudança para Barcelona, na Espanha, por causa do surto de coronavírus. Com passagem só de ida, com escala em Lisboa, Thaís vai morar com o marido Bruno Moraes, que vive em Barcelona desde fevereiro deste ano.

Além da bagagem, leva o cachorro Blue, principal motivo da sua corrida com os preparativos.

— Já tinha avisado que sem ele eu não iria. Demorei seis meses para conseguir a autorização para levá-lo. Adiar poderia dar problema. E se a situação piora (em relação ao coronavírus) e eu não consigo ir por causa de aeroportos fechados? A gente vai na cara e na coragem, não temos como desistir.

No Rio, filas e mudanças de plano

Um dia após o governo italiano restringir a circulação de pessoas por toda o país europeu para conter o avanço do coronavírus, uma longa se formou no balcão da Alitalia no Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão) desde o começo da tarde de terça-feira.Brasileiros em férias, na maioria, tentavam remarcar a viagem ou cancelar o voo.

Entre as histórias de sonhos desfeitos está a do casal Ana Carolina Rocha, de 26 anos, grávida de quatro meses, e o programador Tiago Rocha, 25, que mudaram os planos e seguirão para Londres.

— Era um sonho conhecer a Itália. Minha paixão é tamanha que cheguei a fazer faculdade de italiano. Começamos a planejar a viagem há seis meses, antes de eu engravidar — disse Ana Carolina. — Fizemos todo o roteiro, que incluía Roma e Milão, com o maior carinho. Nossa preocupação era perder tudo o que investimos nesta viagem.

O casal planejou ficar quatro dias em Roma, seguir para Londres e voltar para a Itália, mais especificamente, Milão. A última etapa da viagem já tinha sido cancelada. Nesta segunda-feira, após a decisão do governo italiano, desistiram também de Roma.

— Não conseguiríamos fazer nada, está tudo fechado. Viemos para o aeroporto para resolver essa etapa. Na hora do check-in, eles (a Alitalia) foram bastante receptivos — relatou Ana.

O casal acabou embarcando para Londres, com uma conexão em Roma.

Mas nem todos desistiram de viajar. O analista de sistemas Michel Marlon Serrano de Lima, 26, que mora em Pompeia — a cidade do interior de São Paulo, não a célebre italiana —, manteve a programação das férias na Europa.

Serão três dias em Roma. Depois, segue para Paris e Alemanha. Na bagagem, muito álcool em gel e máscaras. Seu maior medo, no entanto, não é contrair o Sars-CoV-2:

— Minha preocupação é que ocorra alguma coisa e eu não consiga sair de Roma. Já pensou ter que ficar em quarentena durante as férias?

O mesmo temor da fisioterapeuta Ana Paula Miguel, que veio de Curitiba com o namorado para embarcar no mesmo voo para Roma.

Os locais escolhidos para os passeios na Itália (Veneza, Milão e Florença) estão com os pontos turísticos fechados. A opção do casal é mudar a viagem para a França:

— Não tenho medo do coronavírus. Minha preocupação em manter a viagem é não poder visitar pontos turísticos e até que ficar em quarentena.

A aposentada Celina Ligeiro reclamou de ter ficado meses planejando todo o romântico roteiro de viagem com o marido e agora ser obrigada a mudar de planos.

Em poucas horas, foi obrigada a refazer todas as reservas. O passeio por França e Itália, que incluía quatro voos entre cidades italianas, ficou restrito. O casal ficará apenas na França, fazendo roteiro que inclui Paris e o Vale do Loire.

— Ainda bem que consegui todo o reembolso. O que eu levei meses para marcar, fui obrigada a mudar em poucas horas. Vou para a Europa sem medo do coronavírus. Só cancelei a Itália, porque não teria o que fazer na viagem. Está tudo fechado — constatou Celina Ligeiro.